Confenar reconhece a importância das Revendas tradicionais

Quinta, 27 Abril 2017 15:27 Escrito por Natalia Zini

Experiência e facilidade de adaptação são características fundamentais para manter a qualidade na distribuição de bebidas

Dados divulgados pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) mostram que 60% das empresas que abrem as portas no Brasil acabam encerrando as atividades em menos de dois anos de existência. Manter um negócio em tempos de crise e com grande concorrência exige muito conhecimento de mercado e ousadia. Por esse motivo, a Confenar – Confederação Nacional das Revendas Ambev e das Empresas de Logística da Distribuição destaca a importância das tradicionais revendas associadas à Confederação. Essas empresas se adaptaram a diferentes cenários ao longo de suas décadas de existência e se mantêm como referência na distribuição de bebidas em todo o Brasil até hoje.

Com 66 anos de história, a revenda Virginia, de Maringá (PR), é a mais antiga associada da Confenar. A empresa participou de diferentes etapas da trajetória do mercado de distribuição de bebidas. O trabalho intenso realizado ao longo dos anos teve reconhecimento. Em 2015, a Virginia foi eleita a “A Melhor Revenda do País” pela Ambev.

“A revenda teve que se adaptar, buscar novos meios de trabalho para se manter competitiva no mercado. Para isso, foi fundamental utilizar a expertise adquirida durante nossa história, o que nos leva sempre à qualidade e à eficiência na distribuição de bebidas por todo o País”, afirma Eduardo Buosi.

A flexibilidade e a facilidade de adaptação são aspectos importantes para as revendas, uma vez que a tecnologia tem avançado em ritmo acelerado. As frotas se modernizaram para atender às diversas exigências dos clientes, sempre com foco na qualidade da entrega.

Outra revenda que passou por transformação foi a Conebel, de São José do Rio Preto (SP). Neste ano, completa 50 anos no setor de distribuição de bebidas, atendendo quatro cidades, 3.000 clientes e o total de 10.400 quilômetros de extensão. A diretora da companhia, Adriana Neves, atribui o sucesso da Conebel ao esforço conjunto dos colaboradores e à forte cultura baseada nos valores da empresa. “A responsabilidade e o comprometimento são os fatores principais no contínuo processo de evolução da Conebel”, diz Adriana.

Para Ícaro Frota, representante da Dissobel, de Sobral (CE), as revendas que estão entrando agora no mercado devem prezar pela prática de uma boa gestão e organização, além de reconhecer a importância do investimento em tecnologias e em recursos humanos com foco na ética e valores da companhia. “É importante lembrar que o sucesso depende de muita dedicação e aprimoramento de processos que tragam ainda mais eficiência às operações e ao mercado de distribuição de bebidas”, conclui Frota.

Para mais informações, acesse: www.confenar.com.br

Números Confenar

A Confenar possui 110 revendas afiliadas e mais de 500 empresários ligados à rede. As revendas Ambev associadas à Confederação geram 23.000 empregos diretos e cerca de 70.000 indiretos, além de prestar atendimento a cerca de 1 milhão de pontos de venda em todo o País dentro do sistema Ambev de distribuição.

Juntas, as Revendas filiadas faturam mais de R$ 14 bilhões ao ano, com potencial de consumo de produtos e serviços em aproximadamente R$ 800 milhões também ao ano. Possuem uma das maiores frotas do Brasil, com 9.740 veículos. Desses, 4.200 são caminhões, sendo 750 caminhões utilizados nas operações de puxada (transferência de produtos da fábrica para a Revenda), 2.750 caminhões nas operações de entrega, 700 caminhões terceirizados, 2.800 motos, 2.200 automóveis/utilitários e cerca de 540 empilhadeiras.

A Confenar investe, anualmente em média, mais de R$ 15 milhões em autopeças, R$ 4 milhões em uniformes, R$ 30 milhões em seguros, R$ 3 milhões em treinamento, entre outros.

As frotas têm consumo anual de R$ 210 milhões em óleo diesel (combustível e lubrificante) e R$ 12 milhões em pneus.

Sobre a Confenar

A Confenar (Confederação Nacional das Revendas Ambev e das Empresas de Logística da Distribuição) representa todas as empresas revendedoras dos produtos Ambev. Criada em janeiro de 2003, é hoje a maior rede de distribuição de bebidas do País. Entre suas iniciativas destacam-se a otimização das atividades do segmento, a garantia da sua representatividade e a geração de negócios que beneficiem os revendedores associados. Juntas, as revendas Confenar são responsáveis por uma das maiores frotas de veículos do País e por uma das mais complexas e eficientes operações de logística de distribuição do mundo.

Consinco aposta em e-commerce com drive-thru para conquistar clientes do varejo

Líder em sistemas de gestão para o varejo e atacado no País, empresa estima chegar a 25 varejistas com plataforma implementada até o final de 2017

Solução será apresentada na APAS Show, entre 2 e 5 de maio, no Expo Center Norte

São Paulo, 27 de Abril – A Consinco, desenvolvedora de sistemas de gestão (ERPs) para redes de atacado e varejo, está em plena operação de implementação da sua plataforma de e-commerce em todo o País, com a expectativa de chegar a 25 clientes com a solução até o final de 2017. A plataforma Consinco e-commerce será apresentada durante a APAS Show 2017, maior feira supermercadista do Brasil, que acontece entre os dias 2 e 5 de maio, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Dentre as redes que já aderiram à plataforma de e-commerce da Consinco em seus negócios, destacam-se os Supermercados Pague Menos, localizado no interior de São Paulo, o atacado Treichel, do Rio Grande do Sul, e a Rede Compras Supermercados, da Paraíba. Ao todo, oito redes supermercadistas estão implantando a solução Consinco e-commerce.

Líder em soluções de gerenciamento para lojas físicas, a Consinco vem ganhando espaço também no varejo online graças à evolução do comércio eletrônico no País. Segundo levantamento da e-Bit, especializada em informação e pesquisa sobre o comércio eletrônico, o movimento do setor deve crescer entre 10% e 15% este ano na comparação com 2016, que registrou vendas de R$ 44,4 bilhões.

Segundo o executivo Silvio Sousa, diretor comercial da Consinco, há uma crescente demanda do varejo por soluções que ofereçam ao consumidor diversos meios de acesso aos seus produtos. Nesse contexto, avalia o executivo, as facilidades e vantagens do e-commerce estão suprindo essa necessidade. A nova plataforma deve representar 5% dos negócios da Consinco nos próximos quatro anos.

A solução

A solução de e-commerce da Consinco envolve tanto o acesso via desktop quanto mobile. Conta, ainda, com a opção da operação Drive-Thru, que oferece a possibilidade ao cliente fazer a compra online e retirá-la em uma loja física, com hora e local agendados. O aplicativo é compatível com sistemas Android, iOS e Windows e possui os mesmos recursos do site de vendas.

Dos clientes atuais, o Pague Menos já opera o sistema com a solução Drive-Thru integrada à plataforma de e-commerce. “As novas soluções representam uma ruptura nos modelos tradicionais de negócios e também trazem novas possibilidades de compra para os consumidores, com experiências cada vez mais personalizadas”, diz o diretor da Consinco. As compras por meio de dispositivos móveis em 2017, segundo a e-Bit, deve crescer 41%. Em 2016, as vendas via smartphones e tablets concentraram 21,5% das transações.

SERVIÇO:
Feira APAS 2017
Data: 2 a 5 de maio
Local: Expo Center Norte – Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme, São Paulo
Mais informações: (11) 3647-5027

Sobre a Consinco
Fundada em 1990, a Consinco é líder no fornecimento de sistemas de gestão corporativa para as maiores empresas de varejo, atacado e distribuição do Brasil. Atualmente, seus sistemas rodam em mais de 2.600 pontos de venda e são operados por cerca de 65 mil usuários. A empresa está presente em 36% dos maiores varejistas e 50% dos maiores atacadistas de autosserviço do País, segundo os rankings de 2016 da ABRAS (Associação Brasileira dos Supermercados) e da ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores). Presente em 220 grupos empresariais, a Consinco atua em 25 Estados e emprega 360 colaboradores diretos.

E-commerce de cerveja investe em inteligência logística para aumentar competitividade

E-Commerce News | 26/04/2017 – 08:50 AM | Comentários (0)

Fundada em janeiro de 2011, a CervejaStore é um e-commerce especializado em cervejas artesanais nacionais e importadas. Atualmente, oferece um portfólio com aproximadamente 750 rótulos de diferentes nacionalidades e estilos, além de outras bebidas como whiskies, cachaças artesanais, vodcas e tequilas.
O Brasil é o 3º país em produção de cerveja no mundo: são produzidos mais de 14 bilhões de litros anualmente. Nos últimos anos, o consumo de cervejas especiais aumentou exponencialmente e, hoje, já representa 5% do mercado nacional.
Da mesma forma em que o consumo por cervejas especiais vem aumentando, a concorrência também cresceu em 2016, tornando necessário à empresa investir em tecnologias para garantir competitividade, como destaca o Co-Founder e CEO da empresa Clayton Santos “Encontramos na Frete Rápido um parceiro estratégico para esta nova etapa de crescimento e integramos os processos de compra, armazenagem, venda e entrega em uma ferramenta fantástica. O primeiro impacto visível em nossa operação é a redução de custo, pois conseguimos reduzir o gasto com fretes em até 60% e vamos utilizar estes ganhos para alavancar nossas vendas”.
A Frete Rápido é uma startup brasileira que desenvolveu junto a centenas de transportadoras um sistema que integra todos os processos logísticos da empresa. A startup tem foco em tornar produtos mais baratos eliminando gargalos e etapas entre e-commerces e transportadoras, como explica o CEO Mário Rodrigues “Sempre que alguém montar um carrinho no e-commerce, vamos consultar centenas de transportadoras para encontrar a melhor opção de frete, seja pelo menor preço, entrega mais rápida ou qualificação. Nossos algoritmos cuidam do CT-e, seguro da carga e rastreio, não sendo necessário que o e-commerce tenha contratos ou tabelas de preços. Nós democratizamos a logística, ofertando os melhores preços e serviços a todos”.

Casal investe R$ 40 mil e cria delivery de orgânicos em São Paulo

Negócio funciona como uma feira online comercializando alimentos produzidos em agricultura familiar

Por Nathalia Fabro, com Cassiano Ribeiro

Abrir uma tela, escolher os produtos e finalizar a compra. O maior esforço? Ir até o portão de casa ou buscar o pacote na portaria do prédio – tão comuns em São Paulo. Inclusive, foi pensando na rotina agitada dos paulistanos que surgiu o Leve BEM delivery de orgânicos. Como o próprio nome remete, a empresa entrega verduras, frutas, legumes e outros produtos sem agrotóxicos ou conservantes direto na sua residência.

O e-commerce existe desde 2013 e funciona como uma verdadeira feira, que funciona online. No site é possível comprar alface, tomate, banana, abacaxi, alho e até itens industrializados de marcas orgânicas e “naturebas”, como massas, mel, molhos de tomate e farinhas. 

A ideia do empreendimento é do casal Carolina Brenoe Vieira, 32, e Eduardo Castagnaro, 35 anos. Em 2011, os dois levavam uma vida típica dos meios urbanos – moravam na capital paulista, trabalhavam no mundo corporativo e não consumiam orgânicos. Cansados da mesmice e com a vontade de ter uma experiência diferente, eles partiram para um ano sabático no exterior: passaram seis meses na Austrália e os outros seis na Tailândia e Indonésia. “[Com a viagem] nós mudamos nossa maneira de pensar e o que queríamos para nossa vida. Na volta, ficamos questionando muito o que a gente ia fazer dali para frente e decidimos abrir um negócio e sair da cidade grande”, conta Carolina.

O foco de atuação do Leve BEM também foi inspirado nessa jornada, visto que a culinária desses países asiáticos utiliza muitos vegetais e os dois começaram a ter contato e a se interessar por uma alimentação mais natural e saudável. Em seguida, o casal foi pesquisar quais áreas desse segmento gostaria de investir e qual o modelo de negócio era o mais apropriado para o novo estilo de vida que os dois pretendiam adotar. “Há cinco anos o mercado de orgânicos ainda era muito restrito. Existiam poucas feiras e nenhum delivery. Procurávamos informações e quase não achávamos. Vimos que tinha uma demanda em crescimento mas não tinha oferta”, fala Carolina.
Da cidade ao campo

Quatro meses depois do site começar a funcionar, Carolina e Eduardo decidiram mergulhar de vez no negócio. Fizeram as malas e mudaram para Vargem Grande Paulista, a 45km da capital.

Além de ter um cenário predominante verde, a região do município é polo de agricultores de orgânicos. Atualmente, os fornecedores dos alimentos vendidos no e-commerce são pequenos produtores familiares de todo o país que possuem certificação. A maior parte de folhagens e alguns legumes chegam de Ibiúna (SP) e as frutas, principalmente as regionais, são provenientes do Norte e Nordeste. Produtos do Rio Grande do Sul e de outras cidades do interior de São Paulo também são comercializados no site.

“Inicialmente a gente até queria plantar, mas é preciso ter um conhecimento da terra, da planta, do ciclo, que o produtor tem. Então a gente chegou à conclusão que não íamos dar conta de conciliar o site com o trabalho manual, e decidimos fortalecer a economia dos produtores locais”, diz a empreendedora.
Investimento e logística

Para tornar o negócio realidade, além do entusiasmo e força de vontade, o casal investiu cerca de R$ 40 mil, oriundos de finanças e da venda de um carro. “Pensamos no e-commerce pela praticidade do cliente, pela comodidade e também para ter um custo menor de manutenção. Desde o princípio não queríamos abrir uma loja física para que a gente não ficasse refém”, explica Carolina.

A única instalação física do Leve BEM é um galpão restrito – que fica em Vargem Grande Paulista -, onde o casal faz a triagem, a seleção e a finalização das 150 cestas que são vendidas, em média, por semana. É de lá também que a pequena equipe de motoristas sai, todas às terças e quintas, para realizar as entregas em São Paulo.

No geral, o delivery abrange as zonas oeste e sul da cidade. Entre os bairros atendidos estão Lapa, Barra Funda, Jardins, Vila Olímpia, Pinheiros, Itaim, Brooklin, Bosque da Saúde, Butantã, Chácara Santo Antônio, Morumbi, Centro e até a região de Alphaville.

Apesar do público-alvo ser pessoas que levam uma rotina agitada, Carolina e Eduardo também atendem algumas padarias, colégios e restaurantes em vendas por atacado. Ocasionalmente, eles participam de eventos e feiras para divulgar o Leve BEM, conhecer e tirar dúvidas de clientes. Em datas específicas, o casal também monta uma “feirinha” no estúdio My Yoga e no restaurante Casa Tavares, ambos do Jardim Paulista, para vender os orgânicos. Por serem parceiros, o restaurante também utiliza os alimentos para realizar um brunch orgânico.
Mercado

De 2013 para cá, o setor de orgânicos foi um dos que mais cresceu no Brasil e no mundo. Segundo o Conselho Nacional da Produção Orgânica e Sustentável (Organis), o mercado nacional cresceu 20%, com faturamento aproximado de R$ 3 bilhões em 2016. No mesmo ano, as exportações somaram US$ 145 milhões. Para 2017, a expectativa de crescimento da Organis é de 10%. Já no planeta, estima-se que o setor movimente de US$ 80 a 90 bilhões por ano, representando 80% do mercado global.

Setor atacadista e distribuidor vê 2017 com otimismo após faturar R$250,5 bi em 2016, diz Abad

Reuters

SÃO PAULO (Reuters) – Atacadistas e distribuidores estão otimistas quanto ao desempenho em 2017, após terem faturado 250,5 bilhões no ano passado, mostrou pesquisa divulgada nesta segunda-feira pela entidade que representa o setor Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores (Abad).

A expectativa é que o setor deve registrar alta real de ao menos 1 por cento no faturamento em 2017, dada a melhora do cenário econômico a partir do segundo semestre, de acordo com o presidente da Abad, Emerson Destro.

No primeiro trimestre, contudo, atacadistas e distribuidores faturaram 6,15 por cento menos ante o mesmo período de 2016, com os consumidores ainda contendo os gastos em meio ao desemprego. Somente em março, houve alta real de 16,5 por cento ante fevereiro, mas queda de 2,33 por cento na comparação com igual mês do ano passado.

Em 2016, o faturamento cresceu 0,6 por cento em termos reais e 6,9 por cento nominalmente ante 2015. "O resultado, embora se aproxime da estabilidade, é considerado satisfatório", informou a entidade, destacando que o Produto Interno Bruto (PIB) nacional teve retração de 3,6 por cento no ano passado.

Ainda de acordo com o levantamento, agentes de distribuição respondiam por 53,7 por cento do mercado mercearil nacional, que compreende alimentos, bebidas, produtos de limpeza, higiene e cuidados pessoais e teve faturamento de 466,2 bilhões de reais em 2016.

O ranking apontou, ainda, que o atacarejo faturou 11,3 por cento mais no ano passado, enquanto os hipermercados tiveram queda de 7,4 por cento na comparação com 2015. "Hoje, as famílias têm feito as compras de abastecimento (maior volume) no atacarejo em detrimento dos hipermercados", explicou a Abad.

No Sudeste, que segundo a associação concentra 38 por cento do setor, as empresas consultadas cresceram 8,6 por cento, mais que as do Nordeste (8 por cento), porém menos que as do Norte (15 por cento), Centro-Oeste (12,6 por cento) e Sul (12,8 por cento).

Para 2017, o modelo 'atacado de autosserviço' é o mais otimista, com 88,2 por cento dos participantes da pesquisa prevendo vendas maiores e 58,8 por cento esperando maior rentabilidade.

Entre os distribuidores, 78,4 por cento apostam em alta no faturamento. No atacado com entrega, esse percentual é de 75,9 por cento. Em atacado de balcão, a proporção cai para 61,9 por cento.

O Ranking ABAD/Nielsen de 2017 ainda apontou que o setor, de modo geral, planeja expandir ou pelo menos estabilizar os investimentos neste ano, mantendo foco em áreas de tecnologia de gestão e de sistema de informação.

(Por Gabriela Mello)