Produção de tomates fatura R$ 14 bilhões em 2017

Brasil já é autossuficiente na produção da fruta para a indústria.
Fonte G1

Produção de tomates fatura R$ 14 bilhões em 2017

O tomate é um dos alimentos mais consumidos no mundo e no Brasil. Na salada, no molho, no suco, na pizza, na macarronada…

Em 2017, o faturamente da produção de tomate no campo, indústria e comércio chegou a R$ 14 bilhões. O tomate movimenta a economia.

O Brasil hoje é autossuficiente na produção de tomate para a indústria. A tecnologia ajuda na produção e nas estufas já são produzidas novas variedades sem o uso de defensivos.

Além disso, o tomate é rico em potássio e vitaminas.

Produtos contaminados não foram vendidos no Brasil, diz Lactalis

15/01/18 às 10:25

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Os produtos de leite para bebês da Lactalis contaminados por salmonella não foram comercializados no Brasil, afirmou a empresa por meio de sua assessoria de imprensa. As fórmulas infantis, produzidas na fábrica da empresa em Craon, na França, teriam sido vendidas para 83 países.

Até agora, 37 bebês foram diagnosticados com contaminação por salmonella na França, após terem consumido leite ou fórmula provenientes da unidade da Lactalis alvo da investigação, segundo balanço oficial divulgado no último dia 12. Um bebê foi infectado por salmonella na Espanha após consumir leite infantil da marca francesa, e na Grécia um caso está sendo investigado. O presidente-executivo da Lactalis, Emmanuel Besnier, disse à publicação semanal "Journal du Dimanche" que a companhia, uma das maiores produtoras de laticínios do mundo, "pagará indenizações a cada família que foi prejudicada".

O governo francês recebeu bem a promessa, mas informou que a investigação judicial para determinar os responsáveis continuará. O porta-voz do governo, Benjamin Griveaux, afirmou em entrevista à BFM TV que "pagar uma indenização é bom, mas o dinheiro não pode comprar tudo." O medo se intensificou na semana passada, quando os maiores varejistas da França, incluindo o Carrefour, Auchan e Leclerc admitiram que produtos que sofreram recall em dezembro tinham chegado às prateleiras mesmo assim. A contaminação por salmonella na fábrica foi revelada no início de dezembro.

Segundo Besnier, os resultados das análises localizam o problema "provavelmente" no primeiro semestre de 2017. "Neste período, fizemos obras na fábrica. Neste momento, a bactéria pode ter sido introduzida nas instalações", afirma o presidente-executivo da Lactalis. No Brasil, a Lactalis comprou ativos que pertenciam à BRF, quando a companhia decidiu deixar de atuar em lácteos. Além das fábricas, foram compradas marcas como Batavo e Elegê. Em dezembro, a empresa anunciou a aquisição do laticínio mineiro Itambé, que foi suspensa pela Justiça.

Santa Catarina passa a exportar carne suína para a Coreia do Sul

15 Janeiro 2018 11:32:00

Expectativa também na retomada das importações pela Rússia e a abertura do mercado peruano

O setor produtivo de Santa Catarina está na expectativa de embarcar, já no início deste ano, os primeiros lotes de carne suína para a Coréia do Sul. Num primeiro momento, o país asiático não comprará grandes volumes do produto. Entretanto, na avaliação de dirigentes que atuam no segmento, a abertura de um mercado extremamente exigente demonstra a qualidade da produção catarinense a outros possíveis compradores.

A Coreia do Sul é, atualmente, o quarto maior importador mundial de carne suína. Somente em 2016 registrou o consumo de 615 mil toneladas do produto. No fim de setembro do ano passado, três unidades catarinenses foram habilitadas para o fornecimento de proteína animal aos sul-coreanos: uma planta da Aurora, em Chapecó; uma da BRF, em Campos Novos, e outra da Pamplona Alimentos, em Presidente Getúlio. As vendas dependem da finalização de acordos de certificação sanitária entre a Coreia do Sul e o Ministério da Agricultura brasileiro, o que deve ocorrer ainda no primeiro trimestre.

A expectativa, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), é de que os sul-coreanos adquiram 30 mil toneladas de carne suína por ano, o que significaria um incremento de 15% nas exportações catarinenses. Santa Catarina obteve o aval de fornecimentos por ser o único Estado brasileiro com o status sanitário de área livre de febre aftosa sem vacinação, o que é reconhecido inclusive pela Organização Mundial de Saúde Animal.

Atualmente, os sul-coreanos são abastecidos pelos Estados Unidos, União Europeia, Chile e Canadá. Os norte-americanos são os maiores fornecedores, com cerca de 40% das aquisições do país asiático. De acordo com o presidente da Cooperativa Central Aurora Alimentos e vice-presidente para Assuntos Estratégicos da Fiesc, Mario Lanznaster, a exportação de carne brasileira começa com uma desvantagem comercial em relação aos outros países, devido a uma taxação de 20% sobre o valor do produto. Outros fornecedores da Coreia do Sul possuem acordos firmados prevendo a isenção das taxas de importação. Lanznaster afirma que, apesar desta questão, com o tempo será possível superar essa barreira e melhorar os termos do acordo comercial firmado entre os dois países.

Retomada do mercado russo

Outro ponto comemorado pelos produtores catarinenses é a retomada das importações de carne suína pela Rússia. O fornecimento havia sido suspenso em razão de que os russos não aceitavam a presença de ractopanima na proteína animal produzida no Brasil. A substância é administrada para aumentar a massa muscular e reduzir a deposição de gordura nos animais. A Rússia é, atualmente, o maior importador de carne suína brasileira. Especialistas da área econômica afirmam que a retomada desse mercado é considerada fundamental. Caso isso não ocorra até fevereiro, poderá haver pressão sobre os preços internos.

Novos mercados

Ainda no cenário de exportações de carne brasileira, está a expectativa quanto à abertura de mercado no Peru. Conforme informações do diretor executivo do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados de Santa Catarina (Sindicarne), Ricardo de Gouvêa, já existem negociações a respeito do assunto entre os dois países. Representantes peruanos devem vir ao Brasil em breve para visitar as plantas industriais brasileiras e analisar questões como estrutura e controle sanitário.

Números

Conforme dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Santa Catarina continua liderando as exportações de carne suína. Entre janeiro e novembro de 2017, foram embarcados 254,1 milhões de toneladas, o valor teve uma leve queda de -0,29% se comparado aos de 2016.

Em receita, o Estado também se mantém na liderança brasileira, o resultado representa US$ 590 milhões, um crescimento de 14% em relação a 2016 (US$ 513 milhões).

Já a produção brasileira de carne suína totalizou 3,758 milhões de toneladas em 2017. O número supera em 0,5% o volume produzido pelo país em 2016, quando foi de 3,731 milhões de toneladas.

Com este desempenho, o consumo per capita encerrou o ano em 14,7 quilos, uma elevação de 2% em relação ao consumo de 2016, que foi de 14,4 quilos por pessoa.

Para 2018, conforme dados da ABPA, a produção de carne suína deverá superar entre 2% e 3% o volume produzido em 2017.

Exportações

Em relação às exportações, no acumulado de 2017 (janeiro a novembro), foram embarcadas 643,5 mil toneladas de carne suína, número 5,6% menor que em 2016. A receita, porém, foi de US$ 1,509, representando acréscimo de 9,8% em relação ao ano anterior.

A previsão para 2018 é de elevação entre 4% e 5% em relação ao resultado de 2017, retomando patamares próximos ao alcançado em 2016 (com 732 mil toneladas).

Anvisa proíbe lotes de chás com insetos vivos

15 de janeiro de 2018

SÃO PAULO – A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a fabricação, a comercialização e a distribuição de todos os lotes do chá de alcachofra e o lote 02917 do chá de camomila da marca Chileno Chás e Ervas, fabricados pelo Laboratório Industrial Vida e Saúde Ltda.

De acordo com a Anvisa, o chá de alcachofra foi proibido por conter substâncias não autorizadas pela legislação de alimentos para o preparo de chás. A bebida de camomila tinha insetos vivos e mortos, segundo o Laudo de Análise Fiscal Definitivo emitido pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina.

A Anvisa determinou que o fabricante recolha o estoque dos produtos existente no mercado e a empresa informa já ter cumprido com a decisão.

Nutty Bavarian cria ação promocional inspirada no filme ‘O Touro Ferdinando’

16/01/2018

A Nutty Bavarian, rede pioneira e especializada em grãos torrados e glaceados, desenvolveu em parceria com a FOX Filmes, um combo que conta com dois cones grandes mais um livro de atividades inspirado na animação ‘O Touro Ferdinando’, que está em cartaz em diversos cinemas do país.

Para o gerente de marketing da marca, Danilo Tanaka, a ação será mais um sucesso de vendas.

“O personagem tem forte apelo com o público infantil e acreditamos que esta iniciativa dará continuidade aos bons resultados que tivemos nas campanhas das franquias ‘A Era do Gelo’, ‘Power Rangers’ e ‘Liga da Justiça’”.

O combo, com valor sugerido de R$40,00, está disponível nos mais de 135 quiosques da rede distribuídos em território nacional em shoppings, aeroportos, terminais rodoviários, estações de metrô, hipermercados e lojas de departamento. Para mais informações consultar o site: www.nuttybavarian.com.br.

Fonte:: Redação

Jasmine lança Granolas Zero Açúcar em três sabores. Produtos chegam ao mercado em janeiro e são adoçados com stévia natural

16/01/2018 Novidades no Mercado

Com o objetivo de expandir o portfólio e oferecer mais opções ao consumidor, a pioneira no mercado de alimentos saudáveis, Jasmine, relança 2 sabores de granola e mais uma novidade. Dessa vez, a novidade é na categoria Zero Açúcar. Os relançamentos são os sabores: Frutas Tropicais e Superfrutas, presentes anteriormente no portfólio Diet, agora retrabalhadas e muito mais saborosas. E o lançamento de um novo sabor para a categoria de granolas zero açúcar, Amendoim e Alfarroba. Os produtos são adoçados com stévia natural, uma planta nativa da América do Sul, e recebem o selo vegano, que confirma a ausência de leite, ovos e derivados.

As Granolas Zero Açúcar Jasmine estão disponíveis em deliciosos mixes de castanhas, frutas, flocos de aveia, e grãos trazendo diversas combinações de texturas e sabores.

A de Frutas Tropicais é feita com chia, que auxilia na redução de peso, oferece energia e saciedade. A Superfrutas é composta por frutas que contribuem para a saudabilidade do organismo, favorecendo o aumento da imunidade e prevenção de doenças. Por fim a de Amendoim e Alfarroba possui o benefício do amendoim, que é rico em vitaminas e minerais e não contém colesterol e a alfarroba utilizada para substituir o cacau, possui baixo teor de gordura e açúcares naturais.

Para Jean-Baptiste Cordon, CEO da Jasmine, mais do que nunca é importante apresentar ao consumidor soluções para necessidades, especialmente quando se trata de redução de açúcar. “A Jasmine busca, por meio dos alimentos, transformar vidas e a categoria Zero Açúcar é um exemplo muito palpável disso. Trazer variedades para pessoas com restrições ou que desejam cortar certos alimentos da dieta é uma meta interna muito clara e estabelecida.”

As novidades estão disponíveis no tamanho de 250g e pelo preço sugerido de R$8,50.

Categorias Jasmine

Recentemente a Jasmine lançou sua nova identidade visual que segue um color code dividido por categoria de produto: vermelho para integrais, verde para orgânicos, azul para zero açúcar e roxo para sem glúten.

As alterações na identidade visual e de embalagem além das constantes inovações no portfólio são os primeiros passos para uma transformação, que seguirá também para os pontos de venda e em toda comunicação da empresa.

Sobre a Jasmine

Há quase 30 anos no mercado, a Jasmine acredita no poder da alimentação para transformar vidas. Nasceu em 1990 como uma opção nutritiva e responsável na mesa das famílias, com produtos inovadores e de muita qualidade. Desde 2014 faz parte do grupo Nutrition&Santé, líder em alimentação saudável no mercado europeu. Hoje, a empresa paranaense é referência no setor de alimentos saudáveis, atuando no mercado nacional e na América Latina.

B.blend lança planos de assinaturas de bebidas

featured Inovação Mercado
15 de janeiro de 2018

Através de novo aplicativo, clientes da marca têm diferentes opções de planos para receber em casa mix preferido entre mais de 25 sabores de bebidas

Primeira plataforma de bebidas em cápsulas all.in.one do mundo, a B.blend lança planos de assinaturas exclusivos das B.caps, as famosas cápsulas de bebidas geladas, quentes ou com gás da marca. Através do novo aplicativo, os assinantes passam a ter opções de planos mensais para assinar com vantagens e receber as suas bebidas preferidas no conforto de casa.

Também por meio do app, disponível gratuitamente para usuários iOS e Android, é possível realizar a qualquer momento e em qualquer lugar a compra avulsa das B.caps, acessórios e até uma máquina. O portfólio atual da B.blend abrange dez categorias de bebidas e mais de 25 sabores entre refrigerantes, sucos 100% naturais, sucos funcionais néctares, chás quentes e gelados, cafés, chocolates, frapês, energéticos e drinks sem álcool. Confira:

Sem taxa de adesão, os três planos mensais de assinatura são: B.smart, com até três caixas de bebidas, em que o consumidor já ganha 10% de desconto na primeira compra; B.cool, que ele escolhe de quatro a nove caixas de bebidas e tem 15% de desconto; e B.lover, no qual o cliente que escolher a partir de 10 caixas tem 15% de desconto mais frete grátis.

Os assinantes poderão trocar a qualquer momento os sabores , a quantidade de cápsulas  e o plano escolhido com total flexibilidade. Também poderão cancelar ou “pausar” a entrega em ocasiões específicas, como viagens e férias.

Sorvetes Rochinha lança ponto de venda no mar

PDV, que mira embarcações ancoradas nas principais ilhas de São Sebastião (SP), durará todo o verão

15 de janeiro de 2018 – 17h07

Durante o verão, um barco da Sorvetes Rochinha passa a comercializar os produtos da empresa no mar. A novidade atenderá embarcações das principais ilhas de São Sebastião, no litoral norte paulista. Segundo comunicado, o ponto de venda marítimo da marca chega para ganhar proximidade com o consumidor. “É um ponto de venda promissor e também uma comodidade para quem curte o verão embarcado e não abre mão do picolé”, disse Lupercio Moraes, CEO de Sorvetes Rochinha e idealizador do projeto, em nota.

Cervejaria Sátira inaugura pocket bar pop-up na rua Sapucaí

Segunda, 15 Janeiro 2018 18:07 Escrito por Fábio Gomides
Empresa mineira que está se reposicionando no mercado abre um pocket bar temporário na rua Sapucaí e apoia os blocos “ZiriGGYdum Stardust”” e “Todo mundo cabe no mundo” no carnaval de BH 2018.

Desde o final de 2017, a Cervejaria Sátira vem apresentando para BH diversas novidades. A primeira foi a abertura do Growler Station na avenida nossa senhora do Carmo, 899. Agora, a empresa mineira realiza, durante os meses de janeiro e fevereiro, mais duas ações voltadas para o carnaval da capital, um dos mais efervescentes do país. A primeira é a inauguração, no próximo dia 19 de janeiro, de um pocket bar Sátira temporário na badalada rua Sapucaí. A segunda novidade que merece destaque é o apoio de dois blocos carnavalescos: ZiriGGYdum Stardust, em homenagem a David Bowie e o Todo mundo cabe no mundo, que discute a inclusão de pessoas com deficiência.

O Pocket bar irá funcionar na rua Sapucaí, 499, entre os dias 19 de janeiro e 18 de fevereiro. De acordo com o diretor de marketing do grupo, Eduardo Gomes, o objetivo é agitar ainda mais, no período do carnaval, um dos pontos de lazer mais queridos dos belorizontinos nesses últimos anos. “A proposta é que as pessoas possam tanto consumir a cerveja no local como também para abastecimento/reposição de growlers para levar para casa ou para os dias de folia. Também vamos trabalhar com um growler menor, de 1 litro, para facilitar a circulação pela cidade durante os blocos. Estamos muito felizes com esta oportunidade e bastante empolgados com a abertura deste pocket bar na rua Sapucaí, que é um dos lugares que mais combinam com a essência da nossa cerveja.”, adianta Gomes.

Na carta de bebidas, haverá entre 2 a 4 opções de cervejas da marca, que poderão variar a cada semana, incluindo desde os tipos mais leves como a Specialty Beer e a American Wheat, até as versões mais robustas e amargas como a English Pale Ale, a India Pale Ale e a Brown Ale. Além das cervejas artesanais, o cardápio contará com alguns petiscos.

O Pocket Bar Sátira ainda contará com uma programação cultural durante seu período de funcionamento e será ponto de venda de uma camiseta destinada aos foliões, com enfoque na promoção da diversidade.

Serviço:

Pocket Bar Sátira – de 19 de janeiro até 19 de fevereiro
Endereço: Rua Sapucai, 499 – Floresta
Terça a Sábado de 12:00 as 0 0:00
Forma de pagamento: dinheiro e cartão de crédito e débito.

Dália Alimentos e Languiru projetam parceria

Encontro foi realizado na sede da Dália Alimentos com a presença de direção de ambas as cooperativas, de Encantado e de Teutônia

.Ledi T. Giongo/Divulgação Dirigentes das cooperativas Dália Alimentos, com sede no município de Encantado, e da Languiru, sediada em Teutônia, estiveram reunidos na sede da encantadense Dália na tarde da quinta-feira, (04/12). O objetivo do encontro foi viabilizar a possibilidade de formatar parcerias que venham a reduzir custos e aumentar a competitividade nos três segmentos de atuação de ambas: leite, suínos e aves.

Pela Dália esteve presente o presidente Executivo, Carlos Alberto de Figueiredo Freitas e os gerentes da Divisão Produtos Lácteos, Antonio Maria Salazar Leivas e da Divisão Comércio e Marketing Produtos Lácteos, Rudimar Piccinini. Pela vizinha Languiru participou o presidente Dirceu Bayer; o vice-presidente Renato Kreimeier, o diretor administrativo, Euclides Andrade; o gerente executivo de indústrias, Fabiano Leonhoardt; e o gerente industrial laticínios, Mauro Aschebrock.

Conforme Freitas, anfitrião do encontro, a pauta envolveu uma conversa amistosa acerca das áreas em que é possível iniciar a prestação de serviços entre Dália e Languiru. “Essas possibilidades serão analisadas e estudadas e, nos próximos dias, poderá haver a assinatura do primeiro contrato de prestação de serviços”, adianta.

O presidente Executivo garante que se trata de uma decisão acordada e benéfica para ambas às cooperativas. “Há oito meses, dirigentes das quatro cooperativas que atuam com laticínios – Dália, Languiru, Santa Clara e Piá – reúnem-se mensalmente com a finalidade de trocar experiências e informações e, desta forma, reduzir custos e ampliar a competitividade. “Já adotamos este sistema de terceirização de serviços com a cooperativa Santa Clara, algo que vem dando certo e sendo benéfico tanto para nós quanto para eles. Agora pretendemos adotar o mesmo sistema de parceria com a Languiru, sinalizando a intercooperação”.

Ascom