Confira a reunião da Diretoria Colegiada da Anvisa

Implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e o rastreamento de medicamentos constam da pauta. Reunião será transmitida, ao vivo, pela internet.

Por: Ascom/Anvisa
Publicado: 25/04/2017 09:25
Última Modificação: 25/04/2017 17:16

Proposta de Consulta Pública da Resolução RDC que dispõe sobre a alteração e inclusão de rotulagem de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes é uma das pautas da 10ª reunião pública da Diretoria Colegiada da Anvisa. A plenária ocorre nesta terça-feira (25/04), a partir das 10 horas. A sessão será transmitida ao vivo.

A Diretoria irá deliberar também sobre proposta de regulamento para revisão da RDC nº 54, de 10 de dezembro de 2013, que dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e os mecanismos e procedimentos para rastreamento de medicamentos na cadeia dos produtos farmacêuticos.

Assista a esta 10ª edição da Reunião Pública da Diretoria Colegiada da Anvisa, neste ano de 2017, pelo link:

https://join-noam.broadcast.skype.com/anvisa.gov.br/ce9e28d21d08428693bcb2d1367e5bce (a transmissão é via Skype, em tempo real, e você também pode rever o vídeo após a reunião).

Ou assista à transmissão via Datasus pelo link:

http://datasus.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=240&Itemid=246 (somente pelo Internet Explorer)

Confira a pauta completa da 10ª Reunião Pública da Anvisa em 2017.

Acompanhe a cobertura, ao vivo, também pelo Twitter (@anvisa_oficial).

Encontrou algum problema nesta notícia? Mande um e-mail para noticias@anvisa.gov.br .

Importância de reavaliar parcerias entre setores públicos e privados nos laboratórios farmacêuticos

A saúde brasileira enfrenta desafios, ano após ano, para atender as demandas e necessidades da população. Mesmo com dificuldades, o Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que oferece um serviço gratuito de saúde, sendo referência e base para diversos estudos ao redor do mundo. No campo dos medicamentos, existem hoje diversas lacunas deixadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), desde a falta de remédios básicos até a necessidade do desenvolvimento de vacinas e medicamentos para variados tratamentos.

Para conseguir cumprir toda essa demanda, o país conta com duas importantes ferramentas: as PPP’s e PDP’s. As Parcerias Público-Privadas (PPP) são de extrema importância para colaborar com os laboratórios oficiais na fabricação de medicamentos essenciais à população e também com a expertise na administração destas indústrias. Porém, apesar de muito usadas, especialistas do setor acreditam que é necessário repensar como essas parcerias podem contribuir para maior produtividade do setor.

O assunto foi tema de debate durante o II Encontro Nacional do Complexo Industrial e Inovação em Saúde, organizado pela Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Oficiais do Brasil (alfob), em que os palestrantes levantaram a questão de como o setor público pode se aproveitar ainda mais do privado. Guilherme Osório, diretor do Laboratório Farmacêutico do Rio Grande do Sul (LAFERGS), destacou que “é necessário investir em políticas públicas internas para se obter mais tecnologias, como espaços de pesquisas nas faculdades e busca por maiores subsídios fiscais, principalmente para épocas em que os estados enfrentam fortes crises e recessões”.

Também presente no evento, Rodrigo Silvestre, integrante do Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde do Ministério da Saúde, apresentou reflexões sobre como as PPP’s podem ser produtivas se forem levadas além do conceito de apenas cobrir lacunas do SUS. “Precisamos identificar qual o papel dos laboratórios públicos e entender que não podemos apenas sermos compradores, precisamos compartilhar nossos avanços com o setor privado e incentivá-los a criarem novas tecnologias sem visar apenas lucros. Acredito que um dos problemas é que os laboratórios privados sofrem muito com as crises econômicas e buscam contratos interessantes neste ponto, mas ignoram a vantagem de investir em tecnologias de vanguarda’’, comentou Silvestre.

Para os especialistas presentes, uma perspectiva que pode ser positiva ao longo prazo é conseguir mudar a conduta dos laboratórios públicos, exaltando que eles precisam ser mais independentes da União e não apenas aguardar demandas reativas. “Precisamos aproveitar nossos recursos para instigar novas tecnologias ou se não apenas estaremos assinando contratos”, frisou o especialista do Ministério da Saúde.

Os palestrantes também abordaram a importância e o crescimento das Parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDP) que consistem em transferir tecnologias aos laboratórios públicos para a produção de medicamentos em solo nacional, diminuindo a espera pública por produtos de extrema importância como os de tratamentos para doenças autoimunes, câncer, hormônio de crescimento, entre outros. Essas parcerias já representam uma economia de 2,4 bilhões aos cofres públicos, pois deixam de ser importados.

“O principal triunfo das PDP’s é a possibilidade de inovação e desenvolvimento, podendo serem mais estratégicas no momento da escolha dos contratos, pois apesar de atenderem a demandas necessárias, elas podem se dedicar mais tempo a pesquisas, obtendo resultados muito mais expressivos”, diz Andréa Vecci, consultora da Terra e Vecci Advogados, que contribuiu com questões jurídicas ao debate.

Lounge ALFOB – troca de experiências entre parceiros

Paulo Mayorga, presidente da alfob e mediador da mesa, aproveitou a oportunidade para falar sobre a parceria entre a entidade e a FCE Pharma, que juntas irão apresentar o espaço “Lounge alfob” durante a edição deste ano da feira, que acontece entre os dias 23 a 25 de maio, em São Paulo. O lounge irá receber os parceiros privados para discussões e trocas de ideias com os laboratórios oficiais. “Esperamos que esta oportunidade traga ótimas possibilidades de negócios e troca de expertises entre nossos parceiros. Estamos otimistas quanto a mais esta experiência de troca entre os setores”, afirmou Mayorga.

Credencie-se para o evento e tenha acesso a conteúdos exclusivos e de relevância para o setor.

Artigo realizado por: Comunicação FCE Pharma

Laboratório Cristália marca presença na 14ª edição do COPA

Terça, 25 Abril 2017 15:19 Escrito por Erica Carmo
O maior produtor de anestésicos da América Latina promoverá workshop sobre o anestésico venoso DEXTROCETAMINA.

O Cristália, líder em anestesia na América Latina, participará do 14ª Congresso Paulista de Anestesiologia (COPA), um dos mais importantes eventos científicos do segmento no País, e promoverá um workshop gratuito sobre o anestésico venoso dextrocetamina. Os 72m² do estande serão montados sob o mote dos 45 anos de história do Laboratório, com o tema “Vidas em nossas Vidas”. O Congresso ocorrerá entre os dias 27 e 30 de abril, no Transamérica Expo Center, em São Paulo, e espera receber mais de 2.500 profissionais do setor.

A proposta do Laboratório é apresentar sessões de cinema em seu estande, contando a trajetória do Cristália, que, desde 1972, constrói um portfólio inovador de medicamentos, revolucionando a indústria farmacêutica brasileira. No sábado (29), às 13h10, na sala 06, ocorrerá o workshop sobre Dextrocetamina, um fármaco inovador; indicado como anestésico único em intervenções diagnósticas e cirúrgicas, que não necessitem de relaxamento muscular. A participação é gratuita e destinada aos anestesiologistas, que devem se inscrever previamente pelo site www.cristalia.com.br.

O Congresso Paulista de Anestesiologia é organizado pela Sociedade Paulista de Anestesiologia (SAESP) e tem como objetivo transmitir o que há de mais moderno e avançado na anestesia brasileira.

Serviço – 14º Congresso Paulista de Anestesiologia
Data: 27 a 30 de abril de 2017 – (dias 27 e 28, das 8h às 18h; dia 29, das 9h às 18h; e dia 30, das 9h às 11h) – Confira a programação: http://copa2017.saesp.org.br/programacao-cientifica/programacao-por-data/
Local: Transamérica Expo Center – Avenida Doutor Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 – Santo Amaro, São Paulo – SP, 04757-020
Mais informações e inscrições: http://copa2017.saesp.org.br/inscricoes/prazos-e-valores/

Cristália – Sempre um passo à frente

Fundado há 45 anos, o Laboratório Cristália é um Complexo Industrial Farmacêutico, Farmoquímico, Biotecnológico, de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação 100% brasileiro. É pioneiro na realização da cadeia completa de um medicamento, desde a concepção da molécula até o produto final, possui 91 patentes, sendo recordista nacional, e em anestesia, é líder de mercado na América Latina.

Na vanguarda quando o assunto é inovação, produz mais de 50% das matérias-primas dos seus medicamentos na planta Farmoquímica. Está presente em mais de 95% dos hospitais brasileiros, e é referência no âmbito internacional com exportação de princípios ativos e produtos acabados para mais de 30 países. Investe há 15 anos em biotecnologia, possuindo as primeiras plantas privadas de Biotecnologia do Brasil.

O Grupo Cristália conta com cerca de 5.200 colaboradores considerando as empresas coligadas, como os laboratórios Sanobiol, IMA e Latinofarma | www.cristalia.com.br. 

Pesquisa analisa o efeito do canabidiol no controle da ansiedade em pessoas com Parkinson

Grupo da UFSCar busca idosos que queiram participar do estudo.

Por G1 São Carlos e Araraquara

25/04/2017 12h30

Pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) estudam o efeito do canabidiol (CBD) no controle da ansiedade em pessoas com Parkinson e buscam idosos que queiram participar do levantamento.

Estudos anteriores apontaram para o efeito neuroprotetor da substância extraída da maconha, com melhora na qualidade de vida, sono e sintomas de depressão dos idosos. O que o grupo pretende agora é analisar o impacto dela no controle da ansiedade e checar o quanto esse efeito pode reduzir os tremores que acometem os pacientes.

"Espera-se que o canabidiol atenue as medidas de ansiedade subjetiva, verificada via testes neuropsicológicos; fisiológica, indicada pela pressão arterial e frequência cardíaca; e os tremores, verificados por meio de um acelerômetro", explicou a pesquisadora Stephanie Martins.

Proposta

Financidado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o estudo foi idealizado pelo professor Marcos Hortes Nisihara Chagas, do Departamento de Gerontologia da UFSCar, e conta com a participação de pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP Ribeirão Preto e do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP São Carlos.

"A ideia foi proposta tendo em vista que nessa doença existem sintomas como o tremor, que em situações de ansiedade é aumentado significativamente, demandando tratamentos eficazes para atenuação", contou Stephanie.

Ao todo, serão escolhidos 26 voluntários. Podem participar homens e mulheres diagnosticados com Parkinson idiopática, que não tenham transtornos cognitivos e doenças graves coexistentes e que não façam uso de benzodiazepínicos, como ansiolíticos, sedativos, relaxantes musculares e anticonvulsivantes.

Segundo a pesquisadora, serão realizados dois testes, com intervalo de 15 dias entre eles, e cada avaliação terá cerca de três horas de duração. Um grupo de participantes receberá uma cápsula de CBD em pó dissolvido em óleo de milho e o outro, placebo. Depois, os voluntários passarão por testes de simulação de apresentação em público, o que induz à ansiedade, e por ensaios neuropsicológicos. A pressão arterial e a frequência cardíaca também serão verificadas.

"Para aqueles pacientes que apresentarem algum transtorno cognitivo, haverá o encaminhamento para atividades de estimulação na universidade. Finalizados os testes, os resultados serão analisados", disse.

Os interessados em participar podem entrar em contato com os pesquisadores pelos e-mails stephanie.gerontologia@gmail.com e mhortes@hotmail.com.

Ministro da Saúde discute eficácia de remédio chinês para leucemia

A Comissão de Defesa do Consumidor convidou o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para falar, nesta quinta-feira (27), sobre a eficácia do remédio chinês asparaginase, usado no tratamento da leucemia.

Segundo o deputado Aureo (SD-RJ), que pediu a realização do debate, cerca de quatro mil crianças precisam do medicamento, que não é fabricado no Brasil.

Os remédios usados no País eram produzidos por laboratórios dos Estados Unidos e da Alemanha e tinham um nível de eficácia, segundo especialistas, de até 90%. Essa medicação era importada pelo governo e distribuída aos hospitais por meio do Programa de Prevenção e Controle do Câncer do Ministério da Saúde.

Neste ano, no entanto, o ministério substituiu os medicamentos norte-americanos e alemães pela asparaginase chinesa. Apoiado em dispositivo legal que permite a dispensa de licitação em determinados casos, o ministério fez uma pesquisa de preços entre três laboratórios estrangeiros e escolheu o produto chinês, que era o mais barato.

A importação do novo remédio despertou preocupação entre especialistas. “A principal crítica feita por profissionais da saúde é a falta de estudos que comprovem a qualidade e a eficácia do medicamento chinês”, afirma Aureo.

O Ministério da Saúde afirmou, em nota, que Índia, Peru, Honduras e Paraguai também adquirem a asparaginase chinesa e lembrou que a China é líder mundial na produção de insumos de medicamentos.

Para restabelecer a segurança sobre o uso do remédio, o ministério informou ainda que enviou, no início do mês, o padrão do medicamento chinês para a realização de testes que verifiquem o princípio ativo e a concentração do insumo. Os testes serão realizados pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS).

A audiência com Ricardo Barros está marcada para as 10 horas, em local a definir.

Da Redação – ND

Hypermarcas reitera que não negocia fusão, nem contratou bancos

terça-feira, 25 de abril de 2017 12:12 BRT

SÃO PAULO (Reuters) – A empresa de medicamentos Hypermarcas informou nesta terça-feira que não contratou assessores financeiros para auxiliá-la em operações de fusão e reiterou que não está negociando combinação de negócios com outras empresas.

A Hypermarcas "não contratou bancos ou assessores financeiros para auxiliá-la em quaisquer operações desta natureza", afirmou a companhia em comunicado.

Na véspera, a Reuters noticiou que Johnson & Johnson, Novartis e Takeda Pharmaceutical estão em negociações com o bloco de controle da Hypermarcas para compra da companhia brasileira, segundo duas fontes familiarizadas com o assunto.

Na ocasião, a Hypermarcas afirmou em comunicado ao mercado que foi informada pelos acionistas controladores "que inexistem quaisquer tratativas relativas à venda de suas participações na companhia".

(Por Paula Arend Laier)

Em e-mail, gestão Haddad pediu suspensão na compras de remédios

Estadão Conteúdo
13.03.17 – 10h00

Um e-mail, enviado pela supervisão técnica da Secretaria Municipal de Saúde em 13 de setembro do ano passado às unidades de saúde da cidade mostra que a Prefeitura determinou, naquele mês, a suspensão da compra de uma série de medicamentos para a rede municipal.

A capital paulista vive uma crise de desabastecimento de remédios, fazendo com que cidadãos sem condições tenham de comprar os medicamentos por conta própria ou fiquem sem os produtos. Para mitigar os efeitos da crise, a gestão João Doria (PSDB) anunciou a negociação de uma doação de 6 milhões de remédios por clínicas particulares.

A gestão do tucano já vinha afirmando que a origem da crise era a suspensão das compras a partir de setembro passado. No e-mail obtido pela reportagem, a supervisão escreve que “a orientação é fazer as compras mensalmente e, por esta razão, já estão indicadas na planilha (anexa à mensagem) as previsões de consumo mensais e as estimativas de gastos para a validação do Grupo Técnico de Compras. Estão indicadas também na oitava coluna as porcentagens de compra a serem realizadas e, nas duas últimas, a estimativa do valor e do quantitativo a ser comprado considerando-se a priorização.”

A planilha anexa ao texto traz uma lista com 1.028 remédios, mas com a mensagem “não comprar” para 636 deles.

Dados da Secretaria Municipal da Saúde mostram que, depois da mensagem, as compras de medicamentos saíram de uma média entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões por mês para uma média próxima de zero até dezembro.

Culpas

Por meio de nota, a gestão Haddad informou que “2016 apresentou crescimento na demanda por medicamentos em toda Rede Municipal, resultado da crise econômica. Isso impactou todo planejamento de compras”. Ainda segundo o texto, “somado a isso, desde 2012 o Governo do Estado não cumpre seu papel constitucional e não repassa os R$ 25 milhões/ano para a compra de remédios, o que pressiona o orçamento municipal”.

“Mesmo diante deste cenário, a Secretaria manteve as aquisições e licitações em andamento. Isso é comprovado pelo sistema de compras da Prefeitura e pelos empenhos e pagamentos realizados”, segue o texto.

“Por fim, o e-mail citado releva a posição de um mês e de um procedimento que era avaliado constantemente pelas equipes técnicas. Não se trata de uma regra estática. Afinal, se houvesse estoque no momento, a compra não seria feita para não onerar o orçamento existente já que, reiteramos, a parcela estadual não foi depositada até hoje”, conclui a nota.

Como foi citada, a Secretaria Estadual da Saúde, do governo Geraldo Alckmin (PSDB), também foi procurada. Por nota, “lamentou” a citação feita a ela pela gestão Haddad, mas não negou que os pagamentos não tivessem sido feitos.

“A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo lamenta que a equipe do ex-prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Haddad, tente responsabilizar a pasta estadual por sua falta de gestão e planejamento no que compete-se à aquisição de medicamentos. Isso porque, conforme preconiza o SUS (Sistema Único de Saúde), as prefeituras têm autonomia para compra e distribuição de medicamentos básicos na rede pública de saúde”, diz o texto.

“Mesmo assim, na capital paulista, o governo do Estado mantém 12 Farmácias do programa Dose Certa, situadas em locais de grande movimento, que distribuem mais de 60 tipos de medicamentos básicos para a população. O Estado ajuda e continuará ajudando o município de São Paulo. Mostra disso é que, desde 2015, a pasta estadual já repassou R$ 18 milhões para a atenção básica da capital”, conclui a nota.

Fonte: http://www.istoedinheiro.com.br/em-e-mail-gestao-haddad-pediu-suspensao-na-compras-de-remedios/

Graças a ação do Prefeito Lucas Pocay, postos de saúde recebem medicamentos e normalizam distribuição gratuita

Saúde

Por Coordenadoria de Comunicação Social

Ourinhos, São Paulo

Segunda-feira, 13 de Março de 2017

Os medicamentos que estavam em falta nos Postos de Saúde devido ao abandono e má gestão da administração passada foram todos entregues na quarta-feira (08) e a distribuição gratuita volta à normalidade nessa semana.

A reestruturação do setor da saúde é compromisso de campanha do Prefeito Lucas Pocay, que desde o primeiro dia de governo prioriza a agilidade no atendimento a pacientes em Ourinhos.

Assim que os remédios chegaram, Lucas Pocay deu prazo de cinco dias para que a distribuição nos postos fosse concluída e a entrega aos pacientes regularizada. Até quinta-feira (09), 80% dos remédios já haviam sido encaminhados às unidades de saúde.

Segundo a Secretária de Saúde, Cássia Palhas, ao todo 187 tipos de medicamentos foram adquiridos pela Prefeitura, desde os básicos aos específicos. A compra, segundo ela, passou por um processo de licitação de forma emergencial para abastecer as prateleiras vazias dos postos de saúde. “Fizemos tudo que podíamos o mais rápido possível para que a população pudesse ter acesso o quanto antes a esses medicamentos”, explica.

A partir de agora, a população não precisa se preocupar mais com a falta de remédios nos postos, isso porque diversas ações implementadas pelo Prefeito Lucas irá ter o controle e garantir que o reabastecimento desses itens básicos de saúde sejam feitos.

Uma dessas ações é a informatização dos prontuários eletrônicos, que irá se estender também para a farmácia. “O sistema é capaz de ter o controle sobre os pacientes, os remédios que eles fazem uso e o estoque da farmácia também”, ressalta.

Para melhorar ainda mais as condições do atendimento, a secretária ressalta que na semana que vem haverá uma reunião com os médicos de Ourinhos para discussão da lista de medicamentos que precisa ser atualizada.

“Nós já temos uma lista ampliada do Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais) do Ministério da Saúde, mas precisamos atualizá-la. Assim, faremos um encontro com os médicos que atuam nos postos e vamos incluir o que for necessário para melhorar ainda mais essa disponibilidade de medicamento”, fala.

A população, segundo Cássia, pode se tranquilizar, pois em um esforço em conjunto, o Prefeito, os secretários e todos os servidores estão trabalhando para que o cidadão tenha um atendimento digno e humanizado na saúde. Essa é uma das prioridades de governo do Prefeito Lucas Pocay.

Fonte: http://www.ourinhos.sp.gov.br/noticia/3835/gracas-a-acao-do-prefeito-lucas-pocay-postos-de-saude-recebem-medicamentos-e-normalizam-distribuicao-gratuita

Sanofi e Regeneron lançam Praluent (alirocumabe) no Brasil

Fonte: Sanofi

No mundo, diariamente, milhões de pessoas lutam para se manter dentro das metas de colesterol. Algumas delas, mesmo sendo tratadas com as doses máximas toleradas de estatina, não conseguem baixar o LDL. Outras sofrem com o diagnóstico de hipercolesterolemia familiar (HF), quando o colesterol alto é herdado geneticamente – estima-se que são 14 a 34 milhões de pessoas no mundo tenham a doença, sendo 800 mil apenas no Brasil1. É nesse cenário que a Sanofi e a Regeneron lançam Praluent (alirocumabe), um anticorpo monoclonal totalmente humano, administrado com caneta aplicadora por via subcutânea, para o tratamento de pacientes com hipercolesterolemia (elevação do colesterol) primária (familiar heterozigótica e não familiar), que não atingem suas metas de colesterol LDL com o tratamento padrão a base de estatinas e mudanças do estilo de vida.

O alirocumabe é um inibidor da PCSK9 (pró-proteína convertase subtilisina/quexina tipo 9) e funciona, aumentando o número de receptores de liproproteína de baixa densidade (LDL), reduzindo assim os níveis do colesterol LDL no sangue. Praluent já é comercializado nos Estados Unidos, União Europeia, Canadá, México e Japão.

“É uma opção de tratamento importante para um grupo de pacientes que hoje está sob alto risco de ter um infarto, um derrame ou que não tolera o tratamento com estatinas por causa de efeitos adversos", explica André Faludi, cardiologista presidente do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Praluent está disponível em duas dosagens, 75 mg e 150 mg, ambas para serem administradas a cada duas semanas em aplicação única de 1 mL. “Essas duas dosagens significam dois níveis de eficácia do medicamento, dando ao médico a flexibilidade para que ele avalie qual é a melhor dose para cada paciente”, afirma Faludi.

Estudo ODYSSEY avalia os resultados da PCSK9 no Brasil e em vários países

Com o objetivo de avaliar a eficácia e a segurança de alirocumabe, a Sanofi e a Regeneron desenvolvem um conjunto de estudos clínicos, o Programa ODYSSEY. Desde 2003, grupos de pesquisadores diferentes conseguiram identificar a PCSK9, uma proteína presente no sangue que reduz o número de receptores de LDL nas células do fígado. Quanto mais PCSK9 na corrente sanguínea, mas LDL livre no sangue porque há poucos receptores desse tipo de colesterol para levá-lo para dentro do fígado, onde é metabolizado. A inibição da PCSK9 aumenta a disponibilidade dos receptores LDL nas células do fígado, reduzindo o nível de colesterol ruim na corrente sanguínea.

“De acordo com resultados já publicados dos estudos do programa ODYSSEY, alirocumabe reduziu o colesterol LDL em até cerca de 60% adicionalmente ao tratamento padrão com estatinas”, analisa Luciana Giangrande, diretora médica da Sanofi para a América Latina. O programa ODYSSEY inclui 16 estudos globais de Fase 3 que, quando concluídos terão avaliado cerca de 25 mil pacientes em mais de 2 mil centros de estudos em vários países, inclusive no Brasil. Um desses estudos é o ODYSSEY OUTCOMES, que pesquisa a capacidade de alirocumabe de reduzir eventos cardiovasculares como infarto ou derrame. O Brasil participa do ODYSSEY OUTCOMES com 928 pacientes e é o 3º maior recrutador de voluntários para esse estudo global, atrás apenas de Estados Unidos (1º lugar) e Rússia (2º lugar). Os resultados do ODYSSEY OUTCOMES estão previstos para o final de 2017.

Colesterol, hipercolesterolemia e doenças cardiovasculares em números O colesterol LDL elevado é um importante fator de risco para doenças cardiovasculares.2Estimativas da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) indicam 349.938 mortes por doenças cardiovasculares em 2016 no Brasil.3Ainda segundo dados da SBC, de 2004 a 2013, as doenças cardiovasculares foram responsáveis por cerca de 3 milhões de óbitos, o que equivale a 29% do total e a uma morte a cada 40 segundos.3As mortes por doenças cardiovasculares no Brasil são duas vezes o número de óbitos por todos os tipos de câncer juntos.3De 14 a 34 milhões de pessoas têm hipercolesterolemia familiar (HF) em todo o mundo.4No Brasil, estima-se que 800 mil pessoas tenham HF.

Esclarecimento

A área Empresas em Foco publica notícias elaboradas e enviadas pelas empresas filiadas ao Sindusfarma; seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade das empresas e não reflete anuência nem posições ou opiniões da entidade.

Fonte: http://sindusfarma.org.br/cadastro/index.php/site/ap_empresas/empresa/1527

Com outras categorias, farmacêuticos cobram data-base e marcam paralisação para terça, 14 de março

Por: Comunicaço Sindifato

Com a falta do cumprimento do acordo que previa o pagamento da data-base acumulada entre 2013 e 2016 aos servidores da Saúde de Formo do Araguaia, os farmacêuticos da cidade e as outras categorias da área marcaram, para esta terça-feira, 14 de março, uma paralisação de atividades. A paralisação, decidida em assembleia geral dos servidores da saúde do município, é de 48 horas e, portanto, prossegue na quarta-feira, 15 de março.

Na semana passada, o presidente do Sindifato (Sindicato dos Farmacêuticos do Tocantins), Pedro Henrique Goulart Machado Rocha, esteve na cidade e participou de mobilização dos servidores da Saúde que exigem a data-base. “Nossos colegas farmacêuticos do interior precisam de todo o respaldo do sindicato e por isso fomos lá. Vamos seguir apoiando e reforçar a luta pelo pagamento data-base, que é um direito de todos”, salientou Pedro Henrique, ao dizer que já são três anos acumulando perdas salariais para a categoria.

A mobilização, que contou com carro de som e passeata, ocorreu após a falta de resposta por parte da Prefeitura de Formoso do Araguaia ao ofício conjunto do Sindifato e dos sindicatos dos profissionais de enfermagem e dos cirurgiões dentistas.

A marcha foi até a prefeitura para cobrar o cumprimento do acordo. Tentando evitar a paralisação e a greve, o prefeito da cidade, Wagner Coelho de Oliveira, o Wagner da Gráfica, apresentou uma proposta para pagamento da data-base. A proposta será analisada em nova assembleia geral no dia 14 de março e, se aceita, a paralisação não se estenderá. Caso as categorias julguem a proposta como insatisfatória, a paralisação segue e a greve continuará marcada para o dia 21 de março.

Localizada a 320 km de Palmas, Formoso do Araguaia tem população estimada em 18,7 mil habitantes.

Fonte: http://surgiu.com.br/2017/03/13/com-outras-categorias-farmaceuticos-cobram-data-base-e-marcam-paralisacao-para-terca-14-de-marco