Grupo empresarial anuncia construção do supermercado Atacadão em Ji-Paraná

da Assessoria

O Grupo Carrefur deverá iniciar em breve as obras para construção do supermercado Atacadão na cidade de Ji-Paraná. A área localizada na BR-364 com a linha 94, no segundo Distrito, já foi adquirida. O empreendimento terá um terreno de 35 mil metros quadrados, com área construída de 16 mil metros quadrados. Os investimentos previstos são de aproximadamente 45 milhões de Reais, com geração de mais de 400 empregos diretos.

Leia Mais

Nesta quinta-feira, 27, representantes da Construtora R1 Engenharia de Goiânia, responsável pelas obras do Grupo Carrefour, estiveram local acompanhados do prefeito Jesualdo Pires (PSB) e do presidente da Câmara, vereador Affonso Candido (DEM), oportunidade em que foi anunciada o inicio das obras para o inicio do segundo semestre. Conforme o engenheiro Umberto Custódio, que representa a Construtora R1 Engenharia, já no mês de julho a empresa deverá realizar os serviços de limpeza e terraplanagem da área.

O prefeito Jesualdo ressaltou que o grupo estava mantendo tratativas na cidade desde o ano passado, com a prefeitura dando total apoio para que efetivação do empreendimento ocorresse o mais rápido possivel. “Estamos felizes com mais este empreendimento em nossa cidade, porque representa mais empregos e mais renda para nossa cidade”, disse.

Vendas de supermercados caem no acumulado do ano

Agência Brasil
27.04.17 – 19h26

As vendas do setor supermercadista em valores reais caíram 1,4% de janeiro a março deste ano, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Os dados são da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

Em março, as vendas – deflacionadas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)/Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – apresentaram alta de 4,49% na comparação com fevereiro e queda de 3,87% em relação ao mesmo mês do ano de 2016.

Em valores nominais, as vendas do setor apresentaram alta de 4,75% em relação ao mês anterior e, quando comparadas a março de 2016, alta de 0,56%. No acumulado do ano, as vendas cresceram 3,45%.

De acordo com o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, o resultado refletiu o fator sazonal relacionado à Pascoa, que no ano passado foi comemorada em março. “Neste ano, as vendas da data se concentraram em abril, o que impulsionou o resultado negativo. Embora o país ainda esteja passando por um momento econômico difícil, com elevação da taxa de desemprego, o que reflete nas vendas, acreditamos em uma recuperação nos próximos meses e mantemos nossa previsão de 1,30% de crescimento para o ano”.

Preços de produtos têm variação de até 296% nos supermercados de Fortaleza, mostra Procon

Preço do Tomate pode ser adquirido entre R$ 1,89 a R$ 7,49, uma diferença de 296,3%, mostra pesquisa realizada em 10 supermercados.

Por G1 CE

27/04/2017 15h21

Pesquisa realizada pelo Procon Fortaleza mostra variação de preços de quase 300% entre os produtos pesquisados nos supermercados da capital cearense. A pesquisa mais recente, divulgada nesta quinta-feira (27), mostra que o quilo do tomate, por exemplo, pode ser encontrado por preços que variam entre R$ 1,89 e R$ 7,49, uma diferença de 296,3%.

A pesquisa foi realizada em 10 supermercados entre os dias 20 e 21 de abril, e incluiu 47 itens, incluindo alimentação, higiene pessoal, limpeza doméstica e produtos infantis. O levantamento aponta variações de preços acima de 100% nos seguintes alimentos: tomate, batata, laranja, cebola, alho, e cenoura.

Outra variação grande de preços foi encontrada na batata, que pode ser comprada de R$ 1,88 a R$ 5,28, o que representa 180,85% de diferença. A laranja apresenta variação de 152,06%, encontrada por valores entre R$ 1,94 e R4 4,89. A cebola, por sua vez, pode ser adquirida entre R$ 1,49 e R$ 3,69, diferença de 146,98% entre o preço menor e o maior.

O mesmo ocorre com o alho e a cebola que têm variação de 124,21% e 110,58%, respectivamente. A pesquisa do Procon Fortaleza leva em consideração preços de produtos da mesma marca e mesmo peso, mantendo uma padronização das análises. Confira o preço de todos os produtos pesquisados pelo Procon.

Segundo a diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, o consumidor deve exigir a oferta anunciada. "É importante guardar encartes publicitários para eventuais cobranças divergentes das anunciadas". Cláudia Santos também lembra que o consumidor sempre paga o menor preço, quando houver preço difente da prateleira com o valor registrado no caixa.

Supermercados acatam decisão da Justiça e não abrirão em 1º de maio

Nyelder Rodrigues

Os empresários supermercadistas decidiram acatar a decisão judicial que impede a abertura dos estabelecimentos em Campo Grande durante a próxima segunda-feira, no feriado de 1º de maio, Dia do Trabalhador. A determinação da Justiça Trabalhista atende pedido do sindicato dos trabalhadores do setor.

Para avaliar a situação, membros do Sindsuper (Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de Campo Grande), que representa os patrões, se reuniram nesta tarde de quarta-feira (26), decidindo não recorrer contra o parecer da Justiça.

"Vamos cumprir e não abrir as portas. Sabemos que quem vai perder é a população, mas estamos atendendo a ordem judicial e não vamos recorrer. É um prejuízo muito grande, principalmente à população, aos funcionários, que deixarão de receber o adicional por trabalhar no feriado, além da folga", comenta o diretor do Sindsuper, Adeilton do Prado.

O gestor ainda explica que cada funcionário recebe R$ 60 por feriado trabalhado, e se multiplicado esse valor sobre os 10 mil funcionários do setor existentes na Capital, somasse R$ 600 mil injetados na economia local em apenas um dia.

"Para nós, é uma atitude [do sindicato dos trabalhadores] que não atende aquilo que os próprios funcionários querem, o que as pesquisas nas lojas dizem que eles querem, que é trabalhar no feriado, receber o extra e ganhar mais uma folga. Mas não abrindo segunda vamos demonstrar o prejuízo que isso causa. Orientamos a todos que fechem as portas", frisa Adeilton.

Entrave – A ação que culminou na sentença desta quarta-feira foi protocolada pelo sindicato que representa os funcionários dos supermercados, o SecCG (Sindicado dos Empregados no Comércio de Campo Grande).

Normalmente, entre maio e abril são firmados acordos coletivos que estabelecem em quais recessos os empregados podem ser convocados para trabalhar durante o ano e sob quais vantagens, normalmente em troca de folga e vale compra.

O problema é que neste ano as negociações não chegaram ao consenso principalmente em razão do reajuste pleiteado pela categoria, de 5,45%. Os patrões chegaram a oferecer aumento de 0,5% (cerca de R$ 4,75) e depois 2,5%. Atualmente o salário-base da categoria é R$ 990.

Além disso, os supermercados queriam tirar a folga dos funcionários pelo trabalho em feriados. Na sexta-feira (21), feriado de Tiradentes, alguns estabelecimentos abriram as portas mesmo sem decisão que embasasse a medida.

Segundo estudo, 65% da população faz compras nos supermercados

Ainda que exista uma crescente oferta de canais de vendas de alimentos no Brasil, os supermercados ainda são a referência para a família brasileira, quando há a necessidade de fazer compras de alimentos e outros produtos para a casa. De acordo com um estudo feito pela Nielsen, sobre a estrutura do varejo no Brasil, 65% da população se abastece nos supermercados e 35% em outros canais.

No país, o varejo de produtos alimentícios possui vários tipos de estabelecimentos de autosserviço, a fatia maior e mais popular são os supermercados, mercearias e lojas de conveniência, por isso maior parte da população brasileira se abastece nesses lugares. O Ranking Abras, estudo feito pela Associação Brasileira de Supermercados em parceria com a Nielsen, contabiliza cerca de 78.311 lojas em todo o país.

Segundo uma pesquisa da Kantar World Panel, feita no ano de 2009, o gasto dos consumidores em canais de venda como supermercados, com produtos em geral, corresponde a aproximadamente 75% de seu orçamento doméstico. Se forem considerados os autosserviços alimentares, a representatividade aumenta ainda mais, chegando a 76%, o que explica os ganhos elevados do segmento.

O faturamento do setor de varejo de produtos alimentícios vem registrando crescimentos sucessivos em um ritmo muito próximo ao do Produto Interno Bruto (PIB). Nos anos de 2008 e 2009, os supermercados alcançaram a expressiva marca anual de 5,5% de toda a movimentação da economia do país. No caso desse ritmo de crescimento se manter, o Brasil deverá superar a marca de 6% na próxima década, ampliando ainda mais a sua representatividade no ano de 2020.

Manter-se em alta em meio à crise é um desafio para o varejo, no caso dos supermercados, existe a necessidade de reinventar suas estratégias de venda para acompanhar a situação do consumidor. Seguir as tendências de mercado também tem sido uma opção para permanecer lucrando apesar da má fase econômica do país.

Em um cenário onde a compra de alimentos ficou mais cara, algumas famílias encontraram a solução na comida congelada para economizar dinheiro na hora das refeições. Essa necessidade entrou para a mira de empresários do atacado e do varejo, que apostam em produtos ligados à conveniência, para facilitar a vida do cliente. Segundo uma pesquisa realizada pela Abia (Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação) o segmento de comida congelada e desidratados prontos para consumo movimentou R$ 7,4 bilhões de reais em 2011, montante que foi de R$ 6,3 bilhões de reais em 2010. Dados mais recentes mostram que o food service, que também é atendido pelo atacadista distribuidor, faturou R$ 100,5 bilhões de reais em 2012, sendo que, em 2011, esse faturamento foi de R$ 88 bilhões de reais.

A comida congelada fez tanto sucesso entre os brasileiros que alguns empresários entenderam a necessidade de melhorar a qualidade desse produto e transformá-los em verdadeiras refeições, isto é, comida congelada com valor nutricional, alimentos selecionados e preparados como a tradicional comida caseira. Os empresários da Juliette Congelados, empresa especializada em comida congelada, começaram seu negócio quando notaram que o brasileiro precisava comer bem, de maneira prática e econômica. A Juliette Congelados é uma linha completa de refeições congeladas, com influência na gastronomia francesa e brasileira. Vendidos em porções individuais de 500 gramas, a missão da Juliette é unir comida de bom gosto, praticidade e preço justo onde o cliente estiver.

Fonte: Portal Exame.com

“O varejo compreendeu que o caminho é a multicanalidade”

Daniel Domeneghetti, CEO da Dom Strategy Partners , comenta estudo que buscou identificar as atuações multicommerce de vários segmentos do varejo

Victória Navarro
26 de abril de 2017 – 8h07

Com o objetivo de descobrir em quais canais digitais as varejistas pretendem focar suas atuações multicommerce neste ano, a Dom Strategy Partners ouviu mais de 500 empresas entre novembro de 2016 e março deste ano. Entre os supermercados e hipermercados, 84% pretendem focar suas atenções em lojas virtuais, percentual que cai para 62% no segmento de moda e têxtil, 61% para franquias, 58% para flagships.

“Maximizar a experiência multicanal com o cliente é importante, porque ele é quem impõe a relação multicanal”, diz Daniel Domeneghetti, CEO de Dom Strategy Partners e coordenador da pesquisa, que analisou 529 firmas de varejo. “O varejo só precisa se atentar, obviamente, que cada subcategoria varejista dita qual canal é o mais propício para os seus negócios e para o seu público alvo”, acrescenta o profissional.

Se as lojas físicas estão de olho no ambiente online, os players de e-commerce, que possuem presença consolidada na internet, têm a intenção de fortalecer o atendimento ao cliente nas redes sociais, nos aplicativos e no modelo door to door (entrega porta a porta). Já empresas que antes pensavam em voltar seus esforços para lojas virtuais mudaram seus canais de atenção como é o caso, por exemplo, de companhias do segmento de drogaria, que passarão a dar atenção aos meios como redes sociais e aplicativos (49%) e de cosméticos e beleza, que se empenharão no canal door to door (47%).

“O varejo compreendeu que o caminho é a multicanalidade. Há uma linha de experimentação muito forte por partes das varejistas. Muitas delas ainda não têm um contexto especifico para atuação, mas sabem da importância de acompanhar o dinamismo e o empoderamento do atual consumidor”, conclui Daniel Domeneghetti.

Veja o percentual e a meta de cada mercado analisado pela pesquisa:

Carrefour Traz Ao Brasil Linha Exclusiva De Vinhos Portugueses

Quarta, 26 Abril 2017 13:39 Escrito por Grupo Carrefour Brasil
Adegas das lojas da rede em todo o país reúnem rótulos produzidos pela vinícola Caves da Montanha

O Carrefour detém a marca Conde de Cortes, produzidos a pedido da rede pela vinícola Caves da Montanha, localizada desde 1943 na cidade de Anadia, próxima a Aveiro e Coimbra. Os três vinhos tintos da marca já podem ser encontrados nas adegas dos hipermercados e supermercados da rede a um preço médio que varia de R$ 25,00 a R$ 30,00. Os rótulos disponíveis são produzidos em três regiões de Portugal: Douro, Dão e Alentejo, ideais para acompanhar carne vermelha.

Vinho tinto Conde de Cortes Douro: produzido a partir de castas nativas da região, como as uvas Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz Barroca, é uma bebida de cor e sabor intenso.

Vinho tinto Conde de Cortes Dão: elaborado a partir das uvas Touriga Nacional, e Jaen, uma bebida suave de textura leve e aveludada.

Vinho tinto Conde de Cortes Regional Alentejano: produzido a partir das uvas Trincadeira, Aragonez e Alicante-Bouschet.

A linha portuguesa integra o extenso portfólio de vinhos que compõem as adegas das lojas Carrefour. Ao todo, são mais de 650 rótulos de vinhos de diversas nacionalidades, como argentinos, chilenos, espanhóis, italianos, franceses, uruguaios e portugueses. Desse total, mais de 150 rótulos são comercializados com exclusividade pela rede no país.

Sobre o Grupo Carrefour

Há mais de 40 anos no Brasil, o Grupo Carrefour é reconhecido como empresa pioneira no mercado varejista. A companhia está presente em todas as regiões do país e conta com os formatos Carrefour Hiper, Carrefour Bairro, Carrefour Express, Carrefour.com, Atacadão e Supeco, além de oferecer serviços diversos para a conveniência dos clientes, como postos de combustível, drogarias e serviços financeiros. A cada mês, cerca de 22 milhões de compras são registradas em seus mais de 570 pontos de vendas. Com faturamento de R$ 49,1 bilhões no Brasil em 2016 e uma equipe de mais de 80 mil colaboradores, a empresa é a maior varejista de alimentos do país e a segunda maior operação dentre todos os mercados nos quais o Grupo Carrefour opera. No mundo, a companhia está presente em mais de 30 países, sendo 10 com operações próprias, e emprega cerca de 380 mil colaboradores. Com cerca de 12 mil lojas espalhadas pela Europa, Ásia e América Latina, o Grupo Carrefour está presente na vida de 105 milhões de clientes. Atualmente, cerca de 13 milhões de compras são realizadas a cada dia em seus diversos formatos distribuídos pelo mundo. Em 2016, o volume de negócios da companhia totalizou € 103,7 bilhões.

Parceria entre frigorífico e varejo eleva venda de carnes em supermercados

Criado em 2015, o projeto Açougue Completo é uma iniciativa da Frigol S.A., um dos maiores frigoríficos do Brasil, que visa parcerias com supermercados e conta com a adesão de 50 varejistas, todos do Estado de São Paulo. “Nosso foco são as áreas de carnes dos supermercados. A atuação é de fora para dentro. Por isso, iniciamos em São Paulo, onde temos duas plantas frigoríficas, para depois investir nos outros estados,” explica o gerente comercial da Frigol, Dorival Jr.

Por meio do Açougue Completo, a Frigol fornece ao varejista pacote de benefícios para melhorar a estrutura, o atendimento, o design e a qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos clientes. Isso inclui:

Consultoria: nessa etapa são identificados os problemas, a qualidade, as dificuldades e o que pode ser melhorado para atrair mais clientes e atendê-los melhor. A partir dessa análise, são elencados os pontos fracos e fortes do estabelecimento;

Plano de ação: os consultores da Frigol e o supermercadista definem as iniciativas a ser realizadas para melhorar a infraestrutura do açougue;

Treinamento: os profissionais do varejista recebem treinamento, que inclui, por exemplo, trato da carne, cortes e boas práticas;

Identidade visual: o frigorifico oferece material para deixar as instalações mais atrativas aos consumidores.

Esses serviços não geram custos para o supermercado e são realizados em um mês. Em troca, o proprietário passa a comercializar somente carnes bovina e suína fornecidas pela Frigol.

Opções de carnes não faltam. Um dos destaques é a linha de cortes Angus Beef Frigol, de produtos premium originários de gado Angus jovem. “É simplesmente uma das melhores carnes bovinas do mundo,” comenta Dorival Jr. Há também a linha Frigol Tradicional, da qual fazem parte os cortes mais consumidos pelas famílias, a linha Chef Maturada, mais indicada para churrascos, e a linha Chef Temperados, de carnes comercializadas já temperadas (uma facilidade a mais pra quem cozinha), entre outras.

A meta para 2017 é chegar a 100 varejistas parceiros. Lins, Lençóis Paulista, Campinas, Americana, Limeira, Rio Claro, Piracicaba, Bauru e Guararema são algumas das cidades onde o Açougue Completo já chegou. “O projeto é o nosso foco este ano. Em tempos de dificuldade econômica, firmar parcerias é indispensável para manter os negócios em alta. Um exemplo é o supermercado Santa Catarina (Lins), que elevou a vendas em cinco vezes. Os varejistas são beneficiados e o frigorífico também. Todos ganham”, finaliza Dorival Jr.

Sobre

A Frigol S.A. tem capacidade para processamento de 120 mil toneladas de carnes/ano. A produção é distribuída para todo o Brasil e exportada para mais de 60 países da América do Sul, Europa, Oriente Médio, Ásia e África. A empresa conta com quatro unidades industriais, localizadas em São Paulo (Lençóis Paulista), onde há uma planta de bovinos e uma de suínos, e Pará (São Felix do Xingu e Água Azul do Norte), com duas plantas de bovinos. A capacidade de abate é de 2.500 bovinos/dia e 400 suínos/dia. A empresa conta com mais de 2 mil colaboradores. Mais informações: http://www.frigol.com.br

Cresce número de funcionários com nível superior nos supermercados gaúchos

Os dados são do Ranking Agas 2016, que também mostra que a mão de obra feminina superou a masculina

O Ranking Agas 2016 realizou estudo com base nos 95 mil profissionais que atuam no setor supermercadista gaúcho. Além do gênero dos colaboradores, a pesquisa informa a escolaridade e a faixa etária média dos profissionais que atuam nos supermercados gaúchos. Em média, os custos com a folha de pagamento representam 8,6% do faturamento das empresas do setor.

O levantamento mostra um avanço da escolaridade dos colaboradores do setor. Segundo a pesquisa, no ano passado cerca de 7,6% dos funcionários possuem nível superior (6,8% em 2015); 57,3% ensino médio (58,7% em 2015) e 35,1% ensino fundamental (33,5% em 2015). “Os supermercados respondem por cerca de 35% do primeiro emprego no País, e são uma grande porta de entrada para o mercado de trabalho”, lembra Antonio Cesa Longo, presidente da Agas (Associação Gaúcha de Supermercados).

Força feminina

Pelo quarto ano consecutivo, a mão de obra feminina superou a masculina no setor supermercadista gaúcho: os homens são 49% (ante 47,3% em 2015), e as mulheres são 50,9% (52,6% em 2015). A santa rosense Cooperativa Tritícola Santa Rosa, da Região Noroeste, é a empresa com maior força feminina do setor: 75% dos 395 colaboradores da empresa são mulheres.

A idade dos colaboradores

Com relação às faixas etárias predominantes no setor, em média 7,7% dos colaboradores empregados nos supermercados gaúchos têm até 18 anos; 70,6% têm de 18 a 40 anos; 20,6% têm entre 40 e 60 anos; e 1,6% dos profissionais têm mais de 60 anos. O supermercado que mais emprega jovens proporcionalmente é o Super Gomes, de Santo Antônio da Patrulha, que tem 50% do quadro funcional formado por colaboradores com até 18 anos. Entre as empresas que mais apostam na terceira idade, destaca-se a porto-alegrense Comercial Arena Alimentos Ltda., que tem 20% do quadro formado por funcionários com mais de 60 anos.

Superbom apresenta lançamentos na Apas Show 2017

Linha de geleias 100% fruta e suco Antiox, com cranberry, blueberry, cenoura, romã e maçã, estão entre as principais novidades da companhia

A Superbom, empresa alimentícia especializada na fabricação produtos saudáveis, participa da APAS Show 2017 com diversos lançamentos. O evento, organizado pela Associação Paulista de Supermercados e reconhecida como a maior de supermercados do mundo, acontece entre os dias 2 e 5 de maio, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

Entre as principais novidades apresentadas está a linha de geleias 100% fruta e sem adição de açúcar. Seguindo o conceito da Superbom, o produto ainda é livre de conservantes, corantes e aromatizantes e está disponível nos sabores morango com chia, frutas vermelhas com chia, uva, goiaba, damasco e amora, em embalagens de vidro de 300g .

De acordo com David Oliveira, gerente de marketing da Superbom, as novas geleias são preparadas com frutas frescas, que oferecem sabor diferenciado, dando um toque especial em pães, bolos, biscoitos e na preparação de receitas em geral. “É um excelente acompanhamento para os mais variados pratos, tornando-se uma opção para a elaboração de entradas, pratos principais e sobremesas, além de ser uma deliciosa forma de começar o dia, complementando o café da manhã”.

O processo de seleção da fruta é feito rigorosamente desde a colheita até a esteira de classificação. Somente as melhores são escolhidas. “O resultado é um produto cheio de sabor e com baixo índice calórico. Mais um importante diferencial está nos sabores que levam a chia como acompanhamento, algo inédito no mercado de geleias com produção industrial”, conta Oliveira.

Sucos integrais

Durante a APAS Show 2017, a Superbom ainda apresenta inovações em um dos segmentos mais tradicionais da companhia: a linha de sucos integrais. São três novos sabores, maçã, uva branco e antiox, deliciosa mistura de cranberry, blueberry, cenoura, romã e maçã.

As novidades são feitas com 100% de suco das frutas, ou seja, não são adicionados açúcar, conservantes, corantes ou aromatizantes artificiais. Os produtos são pasteurizados e envasados em garrafas de vidro de 1L para melhor preservar as características de aroma e sabor. Além disso, a seleção das frutas segue os padrões de qualidade da marca.

“Além de fazer escolhas mais saudáveis, o consumidor também está buscando se conhecer mais, saber quais as necessidades do seu organismo. Por isso, o mercado de sucos integrais e funcionais cresceu tanto, e continuará aumentando”, explica Oliveira.

Segundo pesquisa da Euromonitor International, as bebidas saudáveis apresentaram um desempenho positivo em 2016. As categorias dos sucos e água engarrafada tiveram taxa de crescimento de 2,51% e 5,1%, respectivamente, em comparação com 2015. Já os refrigerantes apresentaram queda de 5,3% nas vendas no mercado nacional. “O comportamento do consumidor mudou. Cada vez mais as pessoas buscam alimentos saudáveis, com ingredientes naturais, que tragam benefícios à saúde e praticidade no dia a dia. E essa é a filosofia da Superbom, que está há mais de 90 anos no mercado, e não para de inovar”, afirma o gerente de marketing da empresa.

Aplicativo Superbom

A Superbom ainda apresenta novidades no aplicativo para tablets e smartphones, que conta com o passo a passo para desenvolver diversas receitas veganas e vegetarianas. Entre as inovações está a geolocalização e sugestão de rotas para encontrar os pontos de vendas da marca mais próximos de onde o usuário está, além disso, com a atualização, o cliente receberá uma notificação a cada vez que uma nova receita é lançada e também pode deixar sinalizado no aplicativo quais ele mais se interessa.

A expectativa da Superbom é de um aumento de 10% nas vendas em relação ao evento do ano anterior. “A Apas é um evento fundamental para a companhia estreitar o relacionamento com públicos estratégicos. Temos certeza de que os lançamentos serão um sucesso absoluto na feira”, finaliza Oliveira.

Sobre a Superbom

A Superbom é uma empresa alimentícia, que trabalha com uma linha de produtos saudáveis, que abrange sucos, geléias, salsichas, proteínas, pratos prontos, entre outros. Fundada em 1925, a Superbom comercializa os seus produtos em mais de 25 mil pontos de vendas em todo país. Em função disso, é considerada uma das principais empresas do ramo de alimentos para veganos e vegetarianos do Brasil. A empresa iniciou as suas atividades com a produção de suco de uva, no interior de uma antiga casa pertencente ao Colégio Adventista Brasileiro (CAB), que posteriormente ficou conhecido como Instituto Adventista de Ensino e, hoje, abriga o Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp-SP). Durante toda a sua história, a empresa atua diretamente ligada à Igreja Adventista do Sétimo Dia. Atualmente, a companhia conta com 250 colaboradores, entre a sede e as duas plantas da indústria (localizadas em São Paulo, capital, e em Lebon Régis, Santa Catarina).

www.superbom.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa