Fórum sobre cenário político e livro histórico comemoram 85º aniversário do Sindusfarma

O Sindusfarma comemora seu 85º aniversário, no próximo dia 26, com a realização de um debate sobre as perspectivas políticas do país, com o cientista político e jornalista Gaudêncio Torquato, e o lançamento do livro “Indústria Farmacêutica no Brasil – Memória Iconográfica”.

Exclusivo para associados, o evento será realizado das 9h30 às 12h, no auditório da entidade.

Torquato é consultor de marketing institucional e político, pesquisador com livre-docência na Universidade de São Paulo e professor universitário. Coordenou e desenvolveu campanhas políticas majoritárias, para governadores e prefeitos, e proporcionais. É autor de 13 livros.

Qualidade do ar na fabricação de medicamentos: riscos e cuidados à saúde

Segunda, 16 Abril 2018 14:30 Escrito por Welton Ramos
Por Célio S. Martin

Poucos sabem sobre o difícil caminho para se produzir um medicamento. Além dos diversos fatores de pesquisa, desenvolvimento, testes laboratoriais e clínicos, a sua fabricação é um processo extremamente delicado. Muitos ignoram que a sua contaminação pode se dar por problemas tão diferentes que inclui até a qualidade do ar dentro do ambiente de fabricação.

Desde a invenção do ar-condicionado, o seu uso tornou-se um grande responsável pelo avanço das indústrias farmacêuticas e estabelecimentos assistenciais de saúde. Seu maior benefício está no controle de contaminação através da temperatura e pureza do ar para manter em condições seguras os ambientes de saúde. e a formulação, manipulação, embalagem, conservação e transporte de medicamentos.

A falta ou falha dentro desses ambientes atinge diretamente o resultado esperado de eficiência e segurança do medicamento, podendo gerar falhas no tratamento dos pacientes ou realmente trazer males à saúde. Assim, a saúde das pessoas começa a ser cuidada já no ambiente em que um fármaco é produzido. Os laboratórios farmacêuticos irão determinar a eficiência e segurança do medicamento, e consequentemente a saúde dos pacientes no seu tratamento médico.

Dado esse cenário, não é para menos considerar que o mercado de AVAC-R (Aquecimento, Ventilação, Ar condicionado e Refrigeração) trabalhe em conjunto com os especialistas de fabricação de medicamentos, e se atualize nos estudos envolvendo normas de projetos, requisitos de qualidade, além de modernizarem equipamentos e instalação de sistemas de ar condicionado. Atualmente, a revisão da norma NBR 7256 entrou em consulta pública para falar, justamente, sobre o tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde.

A revisão de normas discute alterações importantes sobre os requisitos de projetos e execução das instalações. A consulta vai até 20 de maio de 2018. Essas revisões partem de estudos realizados por pesquisadores e engenheiros ao redor de todo o planeta, e muitas vezes partem de colaborações de associações com órgãos governamentais. Isso porque o próprio mercado busca a boa prática e a qualidade.

É preciso que instalações antigas se adequem, assim como novas surjam já com modificações que levem em conta a atual realidade de eficiência energética e demanda de qualidade do ar para equipamentos e ambientes. Não adianta desenvolver novas tecnologias e não as tornar regra. Normas antigas e desatualizadas precisam ser modificadas, pois lidam com um mundo que já não existe mais.

A regulamentação e fiscalização das Boas Práticas de Fabricação é feita pelo Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, e envolve a ANVISA, VISA e COVISA. Entretanto, se você estiver em frente a um balcão de uma farmácia e receber uma caixa de medicamento, o que faz você acreditar que ela tem um produto seguro e eficiente? O Brasil produziu, em 2017, quase 4 bilhões de unidades (caixas) de fármacos, de acordo com a SINDUSFARMA, porém será que só a fiscalização assegura que você está levando para a casa a qualidade adequada?

É preciso ir além dos órgãos de fiscalização para assegurar isso. É preciso começar pelos itens fundamentais, entre eles o da segurança e qualidade do ambiente em que o fármaco foi produzido. A indústria das “ciências da vida” trabalha com algo muito mais eficiente porque possui um Sistema de Qualidade. Por definição da ANVISA, este sistema engloba “instalações, procedimentos, processos e recursos organizacionais”. Por isso, a engenharia e suas boas práticas atuam para cumprir também com as Boas Práticas de Fabricação.

Diferentemente dos sistemas desenvolvidos tipicamente para conforto dos seus usuários, a climatização de ambientes farmacêuticos trabalha com vazões de ar bem mais altas, sistemas de filtragem de alta eficiência e sentidos assegurados de fluxos entre ambientes, exigindo equipamentos com maior disponibilidade de pressão, baixo índice de vazamento de ar, robustez e repetibilidade de operação, entre outros tantos recursos sempre de acordo com sua aplicação.

O detalhamento e escolha do sistema é antecedido pelo conhecimento do processo produtivo e as características dos produtos fabricados no local. A “Análise de Risco” é a ferramenta adequada para definição dos requisitos do usuário, que é a base de todo o projeto e consequente escolha do sistema de climatização. Para alcançar estas características, o uso de equipamentos de “padrão conforto” não trará a performance necessária e comprometerá o resultado principalmente de segurança e controle de contaminação.

Os sistemas de ar condicionado têm papel destacado no controle de contaminação, protegendo os operadores, o meio ambiente e o produto. Os riscos à saúde estão diretamente relacionados à falha neste sistema, por isto não podem ser negligenciados. Assim, além de cuidado na fabricação, o projeto ganha destaque, e é aí que as normas entram, melhorando a qualidade do processo na sua base produtiva. É importante para os profissionais das áreas de climatização e de saúde estarem atentos e se adequarem. Não se deve sacrificar a saúde por outra vantagem qualquer.

Célio S. Martin é engenheiro e membro do DNPC – Departamento Nacional de Projetistas e Consultores da ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento.

Sobre a ABRAVA e o DPNC: http://abrava.com.br

A ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-condicionado, Ventilação e Aquecimento – é uma instituição sem fins lucrativos que congrega e representa empresas nacionais e multinacionais atuantes nas áreas de indústria, comércio e serviços ligados ao mercado AVAC-R (aquecimento, ventilação, ar condicionado e refrigeração). Um dos departamento da instituição é conhecido como DNPC – Departamento Nacional de Empresas Projetistas e Consultores – que atende a necessidade de reunir e integrar empresas dedicadas exclusivamente à atividade de projetos na área AVAC-R. Seu objetivo é encontrar melhores técnicas, estabelecer parâmetros e alinhar procedimentos para que sempre haja maior garantia de qualidade nos projetos desenvolvidos para o setor. A Associação, como um todo, acaba por defender os interesses da classe, assim como promover boas práticas do meio, sempre prezando pelo respeito ao meio ambiente e ao cliente.

Dicol Pública realiza sua 9ª reunião do ano

Pauta traz a proposta de norma para importação de medicamentos de referência.

Por: Ascom/Anvisa
Publicado: 16/04/2018 16:35
Última Modificação: 16/04/2018 16:48

A pauta da reunião pública da Diretoria Colegiada da Anvisa (Dicol) traz nesta terça-feira (17/4) duas propostas de resolução para votação. A primeira é a que trata dos procedimentos para importação de medicamentos de referência que não estão disponíveis no Brasil.

Esses medicamentos são utilizados pela indústria nacional como parâmetro para os testes de biodisponibilidade e bioequivalência, que são necessários para o desenvolvimento de medicamentos similares e genéricos.

Também está na pauta mais uma atualização da Portaria 344/98 que define as substâncias de uso controlado e de uso proibido no país.

Consultas Públicas

A lista de consultas públicas traz 12 itens, sendo 11 com propostas de monografias de ingrediente ativo de agrotóxicos. Essas monografias definem limites, formas de uso e culturas agrícolas onde podem ser aplicados os agrotóxicos.

O outro tema que deve ser votado nas propostas de consultas é a proposta de Instrução Normativa Conjunta que define os procedimentos para a obtenção do Registro Especial Temporário (RET) de produtos técnicos, pré-misturas, agrotóxicos e afins destinados à pesquisa e à experimentação. A instrução é uma proposta conjunta da Anvisa, do Ministério da Agricultura e do Ibama.

Acompanhe ao vivo

A 9ª reunião pública da diretoria será transmitida ao vivo pela internet, pelos links:

Via Skype (acompanhe ao vivo ou reveja depois) – https://join-noam.broadcast.skype.com/anvisa.gov.br/eb0970097ecc4ab194e147233608b8cd

Via Datasus: http://datasus.saude.gov.br/emtempooreal (somente pelo Internet Explorer).

Confira a pauta da 9ª Reunião Pública da Anvisa em 2018.

Acompanhe a cobertura, ao vivo, também pelo Twitter (@anvisa_oficial ).

Ajinomoto do Brasil e Biovital anunciam parceria de distribuição exclusiva de aminoácidos

Fonte: Ajinomoto

Maior produtora de aminoácidos do mundo e reconhecida empresa brasileira de insumos se unem para atender o mercado de farmácias de manipulação

A divisão AminoScience da Ajinomoto do Brasil, responsável por produzir e fornecer aminoácidos para a indústria, elegeu a Biovital, distribuidora de insumos cosméticos, alimentícios e farmacêuticos para o mercado magistral, como sua distribuidora exclusiva da linha de aminoácidos para esse segmento.

Com a parceria, a Ajinomoto do Brasil passa a oferecer à empresa toda a linha de aminoácidos para uso oral, incluindo BCAA – combinação de Leucina, Valina e Isoleucina –, recomendado a praticantes de atividades físicas devido a sua função de preservação e recuperação da massa muscular, e a Glutamina, responsável pela manutenção do sistema imunológico após procedimentos cirúrgicos, situações de estresse ou exercício físico.

“A Biovital ficou muito feliz com a parceria e vê como uma grande oportunidade de mostrar os diferenciais dos aminoácidos da Ajinomoto para todo mercado magistral”, comenta Maria Alice Marques, diretora de marketing da Biovital.

Com a ascensão do ramo de farmácias de manipulação, o setor tem movimentado cerca R$ 5 bilhões ao ano, com mais de 7 mil estabelecimentos espalhados pelo Brasil. “Estar presente nesse segmento é uma oportunidade para levarmos aminoácidos de alta qualidade, sem origem animal e produzidos de forma sustentável para cada vez mais pessoas, indo ao encontro de um dos princípios da Ajinomoto que é contribuir para a melhora da qualidade de vida da população”, diz Tatiana Gargalaka, gerente de marketing da divisão AminoScience, da Ajinomoto do Brasil.

Esclarecimento

A área Empresas em Foco publica notícias elaboradas e enviadas pelas empresas filiadas ao Sindusfarma; seu conteúdo é de exclusiva responsabilidade das empresas e não reflete anuência nem posições ou opiniões da entidade.

Desenvolvido o primeiro medicamento com potencial para curar diabetes tipo 1

A molécula sintetizada reduz a resposta autoimune e promove a proliferação de células beta

Um novo medicamento, testado com sucesso em camundongos e em culturas de células humanas, é capaz de reverter os sintomas e as causas do diabetes tipo 1. Se sua eficácia e segurança forem comprovadas em testes clínicos, pode representar a cura da doença. A realização, detalhada hoje na Nature Communications, é de uma equipe internacional de cientistas liderada por pesquisadores do Centro Andaluz de Biologia Molecular e Medicina Regenerativa (Cabimer), em Sevilha. A equipe levou vários anos para identificar um receptor molecular adequado que pudesse ser ativado por uma droga; agora que o descreveu, será possível criar várias moléculas sintéticas para encontrar o medicamento correto.

“Se forem realmente capazes de transferir isso aos seres humanos, e isso não acontecerá em breve, terá aplicações não apenas na prevenção como também no tratamento. Isso abre uma porta para curar o diabetes tipo 1”, diz o pesquisador Ramón Gomis, professor emérito da Universidade de Barcelona e ex-diretor do Instituto de Investigaciones Biomédicas Idibaps, que não participou do estudo.

O diabetes tipo 1 é uma condição autoimune que geralmente aparece na infância. Nos 21 milhões de pacientes que a sofrem, os linfócitos destroem as células beta do pâncreas, responsáveis pelo armazenamento e pela secreção da insulina, criando uma dependência permanente da injeção desse hormônio. A nova droga faz duas coisas: reduz o ataque autoimune e repõe a população de células beta destruídas. Até agora, os tratamentos disponíveis – imunossupressão ou terapias celulares – só podiam cumprir uma função ou outra, respectivamente.

“Para curar o diabetes é preciso fazer as duas coisas: fabricar células para substituir aquelas que não funcionam e deter a causa”, diz Bernat Soria, diretor do Departamento de Regeneração e Terapias Avançadas do Cabimer e fundador do centro. O também ex-ministro da Saúde dá como exemplo o resgate bancário: embora se invista dinheiro para salvar os bancos, afirma, “se não resolvermos o problema que os levou a essa situação, voltaremos a investir”.
ampliar foto Imagens de microscópio do pâncreas em um animal de teste. Acima: a droga reduz a infiltração de células do sistema imunológico (pontos roxos mais escuros). Abaixo: o medicamento aumenta a produção de insulina (em vermelho) NADIA COBO-VUILLEUMIER ET AL.

A estrutura do novo composto químico (BL001) é protegida por uma patente da Fundación Pública Andaluza Progreso y Salud. Seu projeto permite ativar um receptor molecular localizado na superfície de algumas células do sistema imunológico e nas células do pâncreas, explica a primeira autora do estudo, Nadia Cobo-Vuilleumier. Essa interação reduz a resposta inflamatória e protege as células beta.

O mesmo receptor também é encontrado nas células alfa da ilhota de Langerhans, responsáveis por armazenar e secretar o hormônio glucagon. A droga provoca a transformação das células alfa em células beta. Esse fenômeno inusitado, conhecido como transdiferenciação, resolve um problema fundamental enfrentado pelas terapias celulares, que é regenerar a população de células beta a partir de uma amostra inexistente ou severamente danificada. “A ideia é muito nova, mas finalmente eles obtiveram resultados convincentes”, diz Gomis.

“Desenvolver um medicamento do laboratório até o paciente custa cerca de 20 milhões de euros”

A droga foi bem-sucedida na prevenção e no tratamento do diabetes em camundongos transgênicos e em culturas de tecido pancreático doadas por famílias de pacientes falecidos. O principal pesquisador do Cabimer, Benoit Gauthier, queria ter uma droga viável “o mais rápido possível”, mas diz que é impossível saber quando conseguirão. “Desenvolver um medicamento do laboratório até o paciente custa cerca de 20 milhões de euros. Nós já gastamos três milhões. Se você me der 17 milhões amanhã, daqui a alguns anos, se tudo der certo, já estaria no mercado”, afirma. Além do financiamento público, a pesquisa recebeu contribuições das associações de pais Juvenile Diabetes Research Foundation, de Nova York (EUA), e DiabetesCERO, da Espanha.

O composto patenteado é apenas um dos vários que serão criados para identificar aqueles que têm menores limites de eficácia e maiores limites de toxicidade. Embora os camundongos tenham recebido a molécula por injeção, o objetivo final é criar uma pílula. Com sorte, um medicamento como esse poderia criar uma tolerância imunológica permanente. “As empresas farmacêuticas prefeririam uma pílula que os pacientes tivessem de tomar pelo resto da vida, mas meu desejo é que se possa reeducar o sistema imunológico”, conclui Gauthier.

ampliar foto Pesquisadores do centro Cabimer, em Sevilha. No sofá, da esquerda para a direita: Benoit Gauthier (chefe do laboratório), Nadia Cobo-Vuilleumier (principal autora da pesquisa) e Bernat Soria (diretor do departamento). Atrás, da esquerda para a direita: Esther de la Fuente Martín, José Manuel Mellado-Gil, Petra I. Lorenzo e Alejandro Martín Montalvo

Sanofi anuncia abertura de centro avançado para fabricação de vacinas

16 de abril de 2018•

A Sanofi Pauster, gigante do global do mercado farmacêutico, acaba de anunciar a abertura de um dos centros mais avançados para fabricação de vacinas do mundo em Toronto, no Canadá. O investimento contará com apoio do governo federal e, também, da província de Ontário, que por meio dos fundos de investimento FedDev Ontario e Jobs & Prosperity Fund, destinará até US$ 70 milhões para o projeto, que totalizará US$ 500 milhões.

Com instalações de quase 14 mil metros quadrados, a nova Bulk Biologics Facility será a primeira do gênero no mundo. Até 2023, a empresa dobrará a produção de suas vacinas que salvam vidas e lançará a vacina para coqueluche, pesquisada e desenvolvida no Canadá, em mais de 30 novos mercados internacionais, protegendo crianças e famílias em todo o mundo.

A Sanofi Pasteur é a divisão de vacinas da Sanofi, uma das principais empresas de saúde – emprega mais de 100 mil pessoas, em 100 países – e fabricantes de vacinas do mundo, e produz vacinas importantes para prevenir doenças infecciosas.

A aposta da empresa foi feita com base no potencial que a região tem a oferecer para a promoção de inovação em escala global, como afirma David Loew, vice-presidente executivo e diretor da Sanofi Pasteur. “O país tem um forte legado na pesquisa e no desenvolvimento de vacinas. Com este investimento, estamos renovando nosso compromisso de longa data de tornar o Canadá o centro de nosso esforço para proteger e melhorar a saúde humana em todo o mundo, onde as vacinas salvam três milhões de vidas todos os anos”, afirma Loew.

Especificamente a região metropolitana de Toronto, na província de Ontário, abriga um dos maiores setores combinados de ciências da vida da América do Norte, com mais de 1.400 empresas e mais de 37 mil funcionários. A indústria farmacêutica é um importante impulsionador da economia de inovação do Canadá. Em 2016, gerou um PIB de US$ 10 bilhões para o país, e o anúncio deste investimento demonstra o crescimento a longo prazo do setor.

“A instalação é uma peça fundamental da nossa nova economia, que impulsionará a inovação e aumentará nossas exportações globais – uma prova do talento impressionante, clima de negócios dinâmico e ecossistema de inovação vibrante de Ontário”, ressalta Steven Del Duca, Ministro de Desenvolvimento Econômico e Crescimento de Ontário.

Eduardo M. Aron é o novo gerente Geral da Pfizer Consumer Healthcare Brasil

Executivo com vasta experiência em liderança e gestão de grandes marcas na área de consumo chega à PCH para fortalecer a competitividade da companhia.

A PHC, Pfizer Consumer Healthcare, divisão de Consumo do Grupo Pfizer, está com nova liderança: Eduardo M. Aron assume como gerente-geral da Divisão a partir de abril. O executivo responderá diretamente à Presidência Regional de Consumo da América Latina.

O novo gerente- geral tem mais de 25 anos de carreira executiva, no Brasil e nos Estados Unidos, e chega à Pfizer com o objetivo de ampliar a força, no mercado brasileiro, de marcas consagradas mundialmente, como as multivitaminas Centrum e o analgésico Advil – produtos do segmento de Medicamentos Isentos de Prescrição (MIP).

Anteriormente, Eduardo liderava a Guabi Pet Nutrition como Presidente da filial brasileira do grupo europeu Affinity, referência no mercado de nutrição animal. Seu currículo ainda tem passagens pela Kimberly Clark como líder nacional da área de Personal Care e líder mundial da franquia de Baby Care e longa atuação na área de Marketing da Johnson & Johnson.

Sobre sua formação, Eduardo é graduado em Administração de Empresas pela Faculdade Getúlio Vargas – São Paulo, concluiu o Programa Executivo Sênior da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, e no Insead tornou-se Instrutor Associado em Estratégia do Oceano Azul (Blue Ocean).

Pfizer Consumer Healthcare —A Pfizer Consumer Healthcare atua em mais de 90 países e comercializa produtos isentos de prescrição médica que promovem saúde e bem-estar para mais de quatro bilhões de consumidores em todo o mundo. No Brasil, a empresa atua nas categorias de analgésicos, antiácidos, multivitamínicos e nutricosméticos, representados pelas marcas Advil, Centrum, Caltrate, Clusivol, IMEDEEN, Magnésia Bisurada e Stresstabs.

Hoje, o crescimento da PCH é impulsionado por três marcas globais: Centrum, o multivitamínico número 1 do mundo; Advil, o analgésico mais vendido globalmente, e Caltrate, a marca número 1 no mundo entre os suplementos de cálcio. Fundada em 1849 e instalada no Brasil desde 1952, a companhia também mantém e acompanha projetos sociais voltados para educação, saúde e sustentabilidade no país.

Anvisa aprova nova terapia para retocolite ulcerativa

11 de Abril de 2018 Daniel Susumura dos Santos

Os pacientes com retocolite ulcerativa ganharam mais uma opção de tratamento no Brasil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou o uso de golimumabe da Janssen, empresa farmacêutica da Johnson & Johnson, para esse tipo de doença inflamatória intestinal (DII). A retocolite ulcerativa representa 60 a 70% dos casos de  DII[i]. O medicamento é mais uma opção no país para o tratamento da retocolite ulcerativa, que pode ser administrado pelo próprio paciente por via subcutânea, com uma caneta aplicadora anatômica, melhorando a comodidade de administração do remédio e facilitando a adesão ao tratamento.

Resultados dos estudos clínicos com o medicamento demonstraram que mais da metade dos pacientes testados apresentaram resposta à terapia de indução subcutânea com apenas seis semanas de uso do produto[ii]. Golimumabe foi eficaz na redução dos sintomas da retocolite ulcerativa, com a cicatrização do revestimento intestinal, promovendo o controle da doença e melhorando a qualidade de vida do paciente em apenas seis semanas[iii]. Além disso, o tratamento foi bem tolerado, demonstrando um perfil de segurança consistente. O estudo mostrou também que mais de 45% dos pacientes mantiveram resposta clínica ao medicamento após um cerca de um ano (13 meses)[iv].

Sobre a retocolite ulcerativa
A retocolite ulcerativa atinge a mucosa que reveste o intestino grosso, provocando lesões no local. Os sintomas dependem da extensão e da gravidade da inflamação, porém a doença é caracterizada por diarreia com muco ou com sangue, anemia, cólicas abdominais e perda de peso. Não há causa específica para a doença, mas acredita-se que fatores genéticos e autoimunes são responsáveis pelo seu aparecimento.

Sobre golimumabe
Golimumabe é um anticorpo monoclonal totalmente humano que atua bloqueando a ação do TNF-alfa (fator de necrose tumoral alfa), uma proteína produzida pelo sistema imunológico do próprio corpo e que, quando gerada em excesso, pode comprometer ossos, cartilagens e tecidos. O medicamento é aprovado em mais de 85 países para artrite reumatoide, espondilite anquilosante e artrite psoriásica. Em 2011, recebeu a aprovação da ANVISA para essas mesmas indicações no Brasil. Golimumabe possui duas apresentações: caneta autoinjetora subcutânea (para artrite reumatóide, espondilite anquilosante, artrite psoriásica e retocolite ulcerativa) e via solução intravenosa (para artrite reumatoide moderada a grave).

Sobre a Janssen
Na Janssen, trabalhamos para criar um mundo sem doenças. Transformar vidas buscando maneiras novas e melhores de prevenir, interceptar, tratar e curar doenças nos inspira. Nós reunimos as melhores mentes e buscamos as mais promissoras inovações científicas. Somos a Janssen. Colaboramos com o mundo para a saúde de todos. Para saber mais acesse: www.janssen.com. Siga a Janssen no Facebook e LinkedIn, e a J&J Carreiras no Facebook.

Fn | Litle George Com,.

No Sindusfarma, Anvisa participa de reunião técnica sobre Inspeção e Fiscalização

O Sindusfarma realizou com a Anvisa uma reunião técnica sobre inspeção e fiscalização de medicamentos, na tarde desta quarta-feira (11).

O evento lotou o auditório da entidade e foi transmitido ao vivo, pela internet.

Participaram do encontro a gerente-geral da Gerência-Geral de Inspeção e Fiscalização Sanitária (GGFIS) da Anvisa, Mariângela Torchia do Nascimento; e o gerente da Gerência de Inspeção e Fiscalização de Medicamentos e Insumos Farmacêuticos (Gimed), Marcelo Mario Matos Moreira.

A reunião foi organizada pelo diretor de Assuntos Técnicos e Inovação, Jair Calixto.
Marcelo, Jair, Mariângela e Liliane participam da mesa de abertura

Por que a Novartis investiu cerca de US$ 9 bilhões em terapia gênica?

Por Fernanda Fortuna• 11 de abril de 2018

No início desta semana a Novartis anunciou que comprará a empresa AveXis, pioneira em terapia genética, por US$ 8,7 bilhões. Esse movimento faz parte da estratégia da empresa em acessar tratamentos para doenças raras que funcionam através da inserção de um novo DNA nas células dos pacientes. A aquisição reforça o posicionamento da Novartis como líder farmacêutico na crescente área de terapia genética.

A AveXis desenvolve terapias para doenças genéticas do sistema nervoso, em especial para atrofia muscular espinhal em bebês. Os acionistas da empresa receberão US$ 218 por ação. O preço é 88% acima do fechamento das ações da AveXis na sexta-feira.

Com a compra, a farmacêutica suíça expande o seu pipeline em terapia genética. Essa foi a segunda aquisição somente este ano. Em janeiro, a gigante comprou os direitos internacionais para a Luxturna, da empresa Spark Therapeutics, que desenvolve radiofármacos. A primeira terapia genética aprovada nos EUA pelo FDA.

Nos últimos anos, a Novartis liderou a indústria farmacêutica no número de medicamentos aprovados por órgãos reguladores, mas atualmente está em queda de 5% no acumulado do ano. Isso se deve ao fato que muitos medicamentos falharam na expectativa de substituição de vendas.

“Estamos em uma jornada para focar a Novartis como uma empresa de medicamentos movida por dados e digital”, disse o presidente-executivo Vas Narasimhan. “E já este ano, começamos forte para atingir esse objetivo.”

O presidente, antes diretor de desenvolvimento de medicamentos na empresa, assumiu o cargo em fevereiro. Narasimhan alinha seus objetivos com a aquisição de remédios inovadores e ”apostas contrárias”, em suas próprias palavras. Segundo a empresa, a aquisição fortalecerá a divisão de neurociência da Novartis.

Um fato interessante, é a assunção dos riscos potenciais da terapia gênica em altas doses pela empresa. O composto ativo da terapia da AveXis possui 200 trilhões de vírus por quilo de peso corporal. Esse número espantoso tem a finalidade de garantir que uma quantidade suficiente de terapia interaja com as células doentes do paciente. O ativo também tem a promessa para uso em outras terapias genéticas que visam o sistema nervoso.

A Novartis continuará com a estratégia de aquisições, avaliando possíveis opções para substituir o seu portfólio, disse o executivo. A empresa vem acelerando o mercado de terapia genética e medicamentos de precisão, e espera a aprovação do medicamento em 2019.