Rede Troyano de Supermercados dá início a construção de moderna loja em Junqueirópolis

Por Jorge Zanoni

Nesta semana a cidade de Junqueirópolis comemora o início do ano com os serviços de terraplanagem e construção de uma moderna loja da Rede Troyano de Supermercados. A ampla loja contará com restaurante, estacionamento coberto e tudo que há de novidades no setor gastronômico. A rede que já conta com lojas em Dracena e Tupi Paulista, aposta agora em nova cidade que está em franco desenvolvimento. O local escolhido foi nas proximidades da antiga Estação da Fepasa e Terminal Rodoviário de Junqueirópolis, na principal rua da cidade, a Rui Barbosa.

Varejista chilena Falabella investirá US$3,9 bi na América Latina até 2021

Economia por Reuters 08/01/2018 – 20h28

SANTIAGO (Reuters) – A varejista chilena Falabella disse nesta segunda-feira que planeja investir 3,9 bilhões de dólares de 2018 a 2021 para expandir suas operações na América Latina, com planos para abrir 108 lojas e oito shoppings.

A empresa com sede em Santiago, cujas operações incluem lojas de departamentos, supermercados, redes de material para reforma de casa, shoppings e serviços financeiros, atua na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Peru e Uruguai.

(Por Antonio de la Jara)

Copyright Thomson Reuters 2017

Varejo deve perder mais de R$ 11 bilhões por causa de feriados em 2018

10 horas atrás Segunda-feira, 08 de Janeiro de 2018

Estimativas da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) apontam que o varejo brasileiro deve perder R$ 11,3 bilhões em 2018 em decorrência dos feriados nacionais e pontes.

Esse montante é 15% superior ao dado projetado em 2017. O aumento é motivado exclusivamente pela projeção de crescimento nas vendas do comércio, uma vez que o número de feriados e pontes em 2018 será o mesmo que em 2017.

As perdas das lojas de vestuário, tecidos e calçados devem atingir R$ 1,3 bilhão, crescimento de 25% em relação a 2017, a maior taxa de crescimento entre as cinco atividades de varejo avaliadas. Em termos de faturamento, o destaque é o segmento de outras atividades, que perderá em torno de R$ 4,6 bilhões, 13% a mais que em 2017. É importante ressaltar que, nesse grupo, é preponderante o comércio de combustíveis, além de joias e relógios, artigos de papelaria, dentre outros.

Já os setores ligados aos bens essenciais devem participar com 38% do total da perda no próximo ano. Segundo as estimativas da Federação, o segmento de supermercados deve deixar de faturar pouco mais de R$ 2,7 bilhões, 7% acima do calculado para 2017, enquanto as farmácias e perfumarias tendem a registrar perda de R$ 1,6 bilhão, 18% superior a 2017.

Nos cálculos, a FecomercioSP desconsiderou os feriados estaduais e municipais, que também prejudicam, em média, a atividade do varejo. Além disso, foram excluídos os setores que comercializam bens duráveis, como veículos, eletrodomésticos e materiais de construção, pois são consumos planejados, de modo que, independentemente de feriados ou pontes, a compra será realizada.

Os impactos da Copa do Mundo, que será realizada entre os meses de junho e julho em que o Brasil jogará em dias de semana, também não foram considerados.

Na análise da entidade, não há espaço para a discussão de revisão de pontes e feriados, porque outros segmentos econômicos importantes se beneficiam desse período, principalmente aqueles ligados ao turismo, como transporte, hospedagem, passeios e cultura.

Outro ponto importante é que até novembro havia grande dificuldade das pequenas e médias empresas (cerca de 80% do total) em abrir aos feriados. Muitas delas optavam por não funcionar por causa dos custos trabalhista e do fato de o funcionamento não cobrir o faturamento daquele dia.

Fonte: FecomercioSP

Minimercados geram mais empregos em 2017 do que super e hipermercados

Dados da Associação Paulista de Supermercados (Apas) mostram que o Estado de São Paulo tem mais de 16 mil lojas de vizinhança

Redes de supermercado apostam cada vez mais em lojas menores por ser mais fácil manter a estrutura de um local compacto, entre outros motivos
(Arte:TUTU)

Priscila Trindade

As lojas de vizinhança, conhecidas também como “minimercados”, foram responsáveis pela geração de 500 empregos formais até setembro de 2017, contra o fechamento de 3.237 postos de trabalho nos super e hipermercados no Estado de São Paulo.

A Associação Paulista de Supermercados (Apas) contabilizou a existência de 16.312 supermercados de vizinhança em 2016. Os dados do ano passado referentes ao número de unidades ainda não foram consolidados.

Os resultados compilados pela Apas refletem uma realidade: as redes de supermercado apostam cada vez mais em lojas menores. Isso porque é mais fácil manter a estrutura de um local compacto. Além disso, os consumidores têm mostrado preferência por lugares desse tipo.

Um estudo da Kantar Worldpanel aponta que a proximidade é o que mais impacta na hora da escolha do canal de compra pelo consumidor (66%), em seguida estão as ofertas e promoções, com 62%, limpeza e organização do canal (45%), oferecer bons preços sempre (43%), entre outros. Isso mostra que o preço perdeu um pouco de importância para o consumidor, que passou a priorizar outros requisitos na hora de comprar.

Hoje, os consumidores apreciam um atendimento mais personalizado e a agilidade para fazer as compras, o que um local menor permite pois tem menos corredores para percorrer. O varejo de vizinhança representa, ainda segundo informações da Kantar Worldpanel, cerca de 2% em valor relativo ao total de canais.

“Esse tipo de equipamento menor responde com eficiência à demanda de pequenas compras e atende ao consumidor apressado e sem tempo para visitar lojas de supermercados maiores”, diz o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de São Paulo (Sincovaga), Alvaro Furtado.

Por isso que, nos últimos anos, grandes redes varejistas como Carrefour e Grupo Pão de Açúcar (GPA) investiram nas lojas com formato reduzido. O Minuto Pão de Açúcar, lançado em 2014, tem 75 lojas nesse modelo no Estado. O Minimercado Extra, também do GPA, conta com 182 lojas desse tipo. O Carrefour Express abriu a primeira loja de vizinhança também em 2014, no bairro do Tatuapé, zona leste da capital. Hoje, possui 106 unidades nesse formato no Estado de São Paulo.

Para Furtado, os benefícios para as redes de supermercados que abrem negócios menores são inúmeros. “O principal é garantir a presença da bandeira em pontos estratégicos, além de pulverizar a distribuição. Além disso, o porte das grandes lojas eleva os custos para a abertura de unidades, principalmente, em bairros ou regiões de alto adensamento populacional”, explica.

Todos os direitos patrimoniais relativos ao conteúdo desta obra são de propriedade exclusiva da FECOMERCIO-SP, nos termos da Lei nº 9.610/98 e demais disposições legais aplicáveis à espécie. A reprodução total ou parcial é proibida sem autorização.

Ao mencionar esta notícia, por favor referencie a mesma através desse link:
www.fecomercio.com.br/noticia/minimercados-geram-mais-empregos-em-2017-do-que-super-e-hipermercados

Durante campanha de volta às aulas, Carrefour dá cupons de desconto de até R$ 50,00

Até o dia 21 de janeiro, o Carrefour promove a campanha “Volta às Aulas” em todos os hipermercados da rede no país. Na compra de materiais escolares, o cliente ganha, direto no caixa, um cupom de desconto no valor de até R$ 50,00, que poderá ser utilizado até o dia 28 de fevereiro para compras de alimentos que não podem faltar na lancheira das crianças. Cada cliente tem direito a um cupom de desconto por compra.

A campanha oferece ainda uma promoção exclusiva para os clientes do ‘Meu Carrefour’ realizada em parceria com o clube de assinatura de livros infantis Leiturinha. A cada R$ 50,00 em compras de materiais escolares nos hipermercados ou no Carrefour.com, o cliente do programa de desconto da rede ganha um convite para receber uma unidade gratuita do “Kit Leiturinha” e experimentar a assinatura do clube. Cada kit, restrito a um por CPF, contém livro infantil selecionado por faixa-etária, surpresas e dicas para estimular o hábito de leitura. Para mais informações acesse o site www.carrefour.com.br/volta-as-aulas.

Além disso, o Carrefour convidou as criadoras do portal SOS Edudação, a pedagoga Thaís Bento e sua mãe Roberta Bento, para dar dicas sobre o período de volta às aulas. A conhecida dupla das redes sociais irá ajudar pais, crianças e adolescentes a melhorar o desempenho nos estudos e a economizar na compra de materiais escolares em vídeos que serão postados com excluvididade nas redes sociais do Carrefour. As dicas também podem ser encontradas na revista de ofertas da rede. Assinada pela Publicis, a campanha conta com anúncios em mídia impressa e digital.

Sobre o Grupo Carrefour Brasil

Há mais de 40 anos no país, o Grupo Carrefour Brasil é reconhecidamente pioneiro no mercado varejista. A partir de uma plataforma omnicanal e multiformato, está presente em todos os estados, além do Distrito Federal, o que permite atender às diferentes necessidades dos seus milhões clientes espalhados pelas cinco regiões do país. Atualmente, conta com os formatos Carrefour (hipermercado), Carrefour Bairro (supermercado), Carrefour Express (varejo de proximidade), Carrefour.com (e-commerce), Atacadão (atacado e atacado de autosserviço) e Supeco (atacado de autosserviço de proximidade), além de oferecer serviços diversos para a conveniência dos clientes, como postos de combustíveis, drogarias e serviços financeiros.

Segunda maior operação dentre todos os países nos quais o Grupo Carrefour atua, a empresa registra a cada mês cerca de 26 milhões de compras em seus mais de 590 pontos de vendas. Com faturamento de R$ 49,1 bilhões em 2016 e uma equipe de mais de 80 mil colaboradores no Brasil, a companhia é a maior distribuidora de alimentos do país, o maior varejista de capital aberto e umas das 15 maiores empresas listadas na bolsa brasileira. No mundo, o Grupo Carrefour está presente em mais de 30 países, sendo 10 com operações próprias, e emprega mais de 384 mil colaboradores. Com mais de 12 mil lojas espalhadas pela Europa, Ásia e América Latina, está presente na vida de 105 milhões de clientes. Atualmente, mais de 13 milhões de compras são realizadas a cada dia em seus diversos formatos distribuídos pelo mundo. Em 2016, o volume de negócios da companhia totalizou € 103,7 bilhões. www.grupocarrefourbrasil.com.br

Fonte: Assessoria de comunicação do Carrefour

Supermercado DIA doa mais de 700 toneladas de alimentos ao Programa Mesa Brasil em 2017

São Paulo — A fome atinge milhões de pessoas no mundo todo e é um dos maiores problemas do Brasil. Para ajudar a combater essa situação, o DIA Supermercados, em parceria com o Programa Mesa Brasil — rede nacional de bancos de alimentos – doou mais de 700 toneladas de alimentos em 2017.

O objetivo da parceria, iniciada em 2015, é contribuir para a melhoria da qualidade de vida de pessoas em situação de pobreza, combatendo à fome a o desperdício. Todos os Centros de Distribuição da rede varejista participam do programa e, semanalmente, direcionam alimentos ao Mesa Brasil.

“O DIA trabalha globalmente para combater o desperdício de alimentos e contribuir para a segurança alimentar, nutricional e a erradicação da fome de populações em risco social. Para isso, investimos em iniciativas que disseminam a cultura da responsabilidade compartilhada para a garantia do direito humano a alimentação. A parceria com o Programa Mesa Brasil bateu recorde de arrecadação em 2017 e o nosso objetivo é contribuir cada vez mais”, afirma Marisa Fernandes, diretora executiva de RH do DIA.

Na Espanha, o Grupo DIA doou 3,8 milhões de quilos ao Banco de Alimentos do país, com um aumento de 6.1% em relação a 2016. Esse número inclui entregas do armazém do DIA e campanhas de doação de alimentos com clientes e colaboradores da empresa.

Sevar, o maior evento do interior de MG, vai reunir supermercadistas e fornecedores

– 04/01/2018

O Super Encontro Varejista (Sevar) é o maior evento do varejo no interior de Minas e é organizado pela Associação Mineira de Supermercados (AMIS) com apoio de outras importantes entidades empresariais. O público participante deve seguir a média de anos anteriores, com cerca de 1,8 mil pessoas nos dois dias. Maioria composta de diretores, compradores e gerentes que atuam no ramo varejista e fornecedor de toda a região.

Tanto profissionais quanto diretores têm no encontro, a maior oportunidade na região para se qualificar profissionalmente, estreitar relacionamentos e para construir novas parcerias comerciais.

A programação do Sevar é composta de palestras, reunião, workshop, visita-técnica e feira. No primeiro dia, as atividades começam às 9h30 e vão até 21 horas. Já no segundo dia, a programação começa às 10h e vai até 12h30 com uma programação específica para o varejo.

Nesse ano, as cidades de Divinópolis, Ipatinga e Juiz de Fora, além da região do Sul de Minas, já estão com data marcada para receber o evento.

Sevar do Triângulo agora é Superinter

A dimensão alcançada pelo Sevar do Triângulo e do Alto Paranaíba, realizada no último ano em Uberlândia, levou a direção da Associação Mineira de Supermercados (AMIS) a programar para 2018 um evento ainda maior, que passa ser incluído na categoria de Congresso e Feira Regional de Supermercadistas. Assim, Uberlândia vai sediar nesse ano a Superinter. Técnicos da AMIS já começam a formatação e o planejamento para divulgar ao trade mineiro e nacional as inúmeras oportunidades deste novo evento empresarial numa das regiões mais prósperas do País.

Será a oportunidade também de os fornecedores da região expor seus produtos e serviços para potenciais compradores que estarão presentes nos eventos. Para quem tiver o interesse, basta acessar o folder comercial para se informar sobre valores.

A AMIS vai promover diversos eventos ao longo do ano, como cursos, fóruns que inclusive, já estão com data marcada. Para saber sobre todos os eventos, basta acessar o calendário oficial do varejista.

Para mais informações : (31) 2122-0500

Saiu na SuperVarejo: Verão e férias impulsionam vendas de diversas categorias no supermercado

A combinação dos fatores “verão e férias” influencia diretamente nas vendas de diversas categorias no supermercado, no começo do ano. Levantamento feito pela Kantar Worldpanel mostra que essa estação movimenta de alimentos e bebidas a produtos de higiene e beleza, variando de sucos e refrigerantes a repelentes.

“Com o aumento da temperatura, surgem inúmeras oportunidades de vendas em todo o Brasil. A vasta relação de categorias cujo consumo tem impacto positivo do clima quente transforma o verão em um dos principais momentos do ano”, explica Laylla Moraes, executiva de marketing e comunicação da Kantar Worldpanel.

Com a inflação estável e a retomada do consumo, a estação pode trazer ainda mais oportunidades para o varejo. Contudo, o canal supermercado deve estar atento. Estudo recente da Kantar mostra que o consumidor se abastece atualmente em um maior número de canais de compra.

O impacto desse resultado é uma redução de lealdade a um determinado ponto de venda; uma das consequências desse comportamento é que o valor deixado em cada um dos canais de compra vem diminuindo. É preciso investir em ajustes na loja quando se trata de sazonalidades, pois são períodos nos quais o varejo pode inovar, criando um ambiente mais agradável para o consumidor, melhorando sua experiência de compra.

Características do layout das lojas, com modificação periódica na decoração, bem como a implantação de áreas de concentração, introdução de espaços para descanso, disponibilização de produtos associados ou correlatos, simulação de ambientes de consumo, entre outras, melhoram o desempenho comercial do estabelecimento.

Compras no supermercado ficaram mais caras para os capixabas

Segundo pesquisa, cesta básica da classe média na Grande Vitória em dezembro custou, em média, R$ 146 a mais que no mês anterior

Para encher o carrinho do supermercado, famílias capixabas precisaram desembolsar, em média, R$ 146,78 a mais em dezembro. A carne, os legumes, verduras e frutas foram os responsáveis por puxar o preço final da cesta básica da classe média para cima. Além disso, o calor intenso e o aumento da demanda, típico de final de ano, foram fatores que influenciaram essa alta.

Segundo dados da pesquisa da faculdade Doctum Vitória, os trinta itens que compõem a cesta básica da classe média na Grande Vitória custaram R$ 1.480,53, em dezembro de 2017. No mês anterior, essa mesma compra saía por R$ 1.464,85. Entre um mês e outro, a diferença foi um reajuste de 1,07%. Mas, mesmo com a alta, o valor continua sendo o menor desde setembro ( R$ 1.477,58).

O coordenador de Extensão da Doctum, Paulo Cezar Ribeiro Silva, explica que, depois de vários períodos de queda, os preços de alguns produtos voltaram a subir. "Isso ocorreu principalmente nos dez últimos dias de dezembro. A carne de boi subiu bastante nesse período, mesmo assim, a média do mês ficou em 2,8%. Se esse preço continuar em janeiro, o produto deve ficar mais caro, principalmente os cortes para churrasco porque a demanda está alta para essas carnes", comenta.

Sete dos 30 produtos da cesta subiram de preço, nove permaneceram quase estáveis e 11 caíram. Na lista dos que tiveram as maiores quedas estão a cenoura (-8,6%), laranja-pera (-7,1), limão (-14,3) e maracujá (-19,6). Já a alta foi auxiliada por itens como a batata-inglesa (10%), o tomate (8%), o mamão (9,9%), a vagem comum (4,8%), banana-prata (3,5%) e a carne (2,8%).

Outros alimentos que compõem a base da alimentação, como o arroz (-0,8%) e o feijão (-0,3%), permaneceram com valor quase estável entre um mês e outro.

De janeiro a dezembro de 2017

Dezembro foi o terceiro mês de 2017 que teve aumento no valor médio da cesta básica. Em janeiro, ela custava em média R$ 1.633,52, ou seja, R$ 152,99 a mais do que era preciso desembolsar em dezembro (R$ 1.633,52) para comprar os mesmos itens.

Segundo a pesquisa, durante o ano passado, 24 alimentos recuaram de preço e seis subiram. Entre os itens que lideram as altas está o suco de frutas em caixa de um litro (25,5%), o limão taiti (14,2%), o maracujá (13,5%) e o mamão papaia (13,3%).

Já na relação dos que tiveram queda de preços no ano de 2017, lideram como principais produtos o feijão preto (-35,3%), a banana-prata (-30,8%), o arroz tipo I (-25,2%) e a laranja-pera (-21,5%).

"Mesmo com esses aumentos no valor dos de itens em dezembro, a cesta básica fechou em torno de 9% de queda, o menor índice em quase 11 anos de pesquisa. Mas a expectativa para janeiro deste ano é que alimentos perecíveis, como frutas e verduras devem subir de preço, devido ao forte calor", disse o coordenador da Doctum.

Supermercado DIA doa mais de 700 toneladas de alimentos ao Programa Mesa Brasil em 2017

São Paulo — A fome atinge milhões de pessoas no mundo todo e é um dos maiores problemas do Brasil. Para ajudar a combater essa situação, o DIA Supermercados, em parceria com o Programa Mesa Brasil — rede nacional de bancos de alimentos – doou mais de 700 toneladas de alimentos em 2017.

O objetivo da parceria, iniciada em 2015, é contribuir para a melhoria da qualidade de vida de pessoas em situação de pobreza, combatendo à fome a o desperdício. Todos os Centros de Distribuição da rede varejista participam do programa e, semanalmente, direcionam alimentos ao Mesa Brasil.

“O DIA trabalha globalmente para combater o desperdício de alimentos e contribuir para a segurança alimentar, nutricional e a erradicação da fome de populações em risco social. Para isso, investimos em iniciativas que disseminam a cultura da responsabilidade compartilhada para a garantia do direito humano a alimentação. A parceria com o Programa Mesa Brasil bateu recorde de arrecadação em 2017 e o nosso objetivo é contribuir cada vez mais”, afirma Marisa Fernandes, diretora executiva de RH do DIA.

Na Espanha, o Grupo DIA doou 3,8 milhões de quilos ao Banco de Alimentos do país, com um aumento de 6.1% em relação a 2016. Esse número inclui entregas do armazém do DIA e campanhas de doação de alimentos com clientes e colaboradores da empresa.